Chris Rock não escreveu texto com pedido de desculpas a Will Smith

Chris Rock não escreveu texto com pedido de desculpas a Will Smith

Primeira declaração pública do comediante sobre o incidente na cerimônia do Oscar ocorreu apenas na quarta-feira, sem qualquer menção direta ao ocorrido

Daniel Tozzi Mendes, especial para o Estadão

31 de março de 2022 | 13h07

Não é verdade que o comediante Chris Rock tenha escrito um texto com pedido de desculpas ao ator Will Smith e sua esposa, Jada Pinkett Smith, como afirmam postagens que circulam pelas redes sociais. Não há registro de qualquer declaração pública de Chris Rock com pedido de desculpas após o incidente envolvendo ele e Will Smith na cerimônia do Oscar, realizada no último domingo.

Uma publicitária ligada a Chris Rock desmentiu a autoria do texto, de acordo com checagem sobre o mesmo tema publicada pela Associated Press.

Durante a cerimônia do Oscar, Chris Rock fez uma piada sobre a aparência de Jada Pinkett Smith. Em seguida, foi agredido pelo ator com um tapa no rosto. Rock só comentou publicamente sobre o incidente na noite da última quarta-feira, 30, durante uma apresentação de stand-up. Na ocasião, ele não pediu desculpas ou fez afirmações diretas sobre o desentendimento com Will Smith. Rock disse apenas “estar processando o que aconteceu” e afirmou que “em algum momento vai falar sobre o caso”. 

O texto falsamente atribuído a Chris Rock e compartilhado nas redes sociais é escrito em primeira pessoa e começa com a frase: “Como comediante, pode ser difícil entender quais linhas devem ser cruzadas ou não”. “Ontem à noite eu cruzei uma linha que não deveria e paguei o enorme preço da minha reputação”, continua a publicação. Em seguida, o texto apresenta um pedido de desculpas a Will Smith, sua esposa e toda sua família. “Espero que, com o tempo, o perdão possa vir dessa situação e todos possamos ser pessoas melhores e mais atenciosas no final”, finaliza a publicação falsa. 

Diferentes postagens no Facebook apresentam essa mesma versão do texto, em português, desde a última terça-feira, 29. Algumas das postagens citam como fonte da declaração outros posts, feitos em inglês por páginas dos Estados Unidos. A postagem mais antiga em inglês foi feita no início da noite de segunda-feira, 28. Desde então, diversas checagens desmentindo as declarações já foram publicadas por sites norte-americanos (veja aqui, aqui, aqui e aqui). 

O incidente 

Durante a apresentação do prêmio de melhor documentário na cerimônia do Oscar, Chris Rock fez uma piada comparando o cabelo curto de Jada Pinkett Smith com a personagem de cabeça raspado interpretada por Demi Moore, no filme GI Jane, de 1997. Segundos depois, Will Smith, que estava na plateia, subiu ao palco e agrediu Chris Rock com um tapa no rosto. Smith voltou ao seu lugar e gritou em direção a Chris Rock: “Mantenha o nome da minha mulher fora da sua boca”. Jada Pinkett Smith, que também é atriz, sofre de alopecia, condição que provoca a queda de cabelo, e revelou publicamente seu diagnóstico em 2018. 

Na mesma noite, Will Smith recebeu o prêmio de melhor ator, por sua participação no filme King Richard: criando campeãs. No discurso de agradecimento, ele se desculpou pelo ocorrido e disse que “o amor te leva a fazer loucuras”. Mais tarde, Smith publicou um texto em suas redes sociais, reafirmando o pedido de desculpas e condenando sua atitude durante a cerimônia. 

A Academia de Artes de Hollywood, responsável pela organização do Oscar, publicou um comunicado sobre o ocorrido condenando as ações de Will Smith e dizendo que “não tolera violência” e que estuda alguma punição ao ator. Já Jada Pinkett Smith, alvo da piada de Chris Rock, fez uma publicação em suas redes sociais dizendo apenas: “Essa é uma temporada de cura. E estou aqui para isso”. Ela não mencionou a piada de Chris Rock ou a agressão de Will Smith durante a cerimônia.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.