Brasil não doou R$ 25 milhões ao Hamas em 2010; recursos foram destinados à Autoridade Nacional Palestina
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil não doou R$ 25 milhões ao Hamas em 2010; recursos foram destinados à Autoridade Nacional Palestina

Boato falso circula no Facebook acusando o PT de ter financiado o movimento armado palestino

Alessandra Monnerat e Caio Sartori

18 de abril de 2019 | 05h00

Bandeira do Hamas no topo de uma casa destruída na cidade de Kobar. Foto: ABBAS MOMANI / AFP

Um boato com mais de 10 mil compartilhamentos no Facebook alega que o Brasil teria doado, em 2010, um valor de R$ 25 milhões para o movimento palestino Hamas, que controla a Faixa de Gaza. A afirmação é enganosa. Os recursos eram destinados à Autoridade Nacional Palestina (ANP), órgão de governo provisório dos palestinos. A ANP é presidida desde 2005 por Mahmoud Abbas, do partido Fatah, que é opositor ao Hamas.

O primeiro presidente da ANP, antecessor de Abbas, também era filiado ao Fatah: Yasser Arafat, que liderou o governo entre 1994 e 2004, ano de sua morte. Fatah e Hamas tiveram seu conflito acirrado após as eleições legislativas de 2006, quando o Hamas saiu vitorioso.

No ano seguinte, o movimento palestino tomou controle da Faixa de Gaza e expulsou o Fatah do território. Apesar de tentativas de aproximação dos dois grupos políticos, a ANP ainda é dominada pelo Fatah.

A doação do governo brasileiro foi autorizada pela lei 12.292, que estabelecia que os recursos teriam o objetivo de apoiar a “economia palestina para a reconstrução de Gaza”. A legislação foi sancionada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva — boato diz que o dinheiro teria sido doado pelo PT, “através de Lula e Dilma”.

Outros países também doaram ao fundo de reconstrução da Faixa de Gaza. Segundo a Organização das Nações Unidas, foram reunidos quase 4,5 bilhões de dólares para recuperação da Palestina após uma ofensiva militar de Israel.

Esse boato foi detectado pelo Estadão Verifica por meio de parceria com o Facebook. Saiba mais aqui.

O site Aos Fatos também verificou essa desinformação.