Enquete vencida por Bolsonaro não define personalidade do ano da revista ‘Time’

Enquete vencida por Bolsonaro não define personalidade do ano da revista ‘Time’

Presidente brasileiro obteve 24% dos votos após campanha de simpatizantes nas redes; editores da publicação norte-americana escolheram Elon Musk no dia 13 de dezembro

Samuel Lima

08 de dezembro de 2021 | 14h02

Atualização (13/12) — A revista ‘Time’ elegeu como personalidade do ano de 2021  o bilionário Elon Musk, CEO da Tesla e fundador da SpaceX, que recentemente se tornou o homem mais rico do mundo. O executivo é uma das lideranças mundiais em tecnologia, com investimentos que incluem carros autônomos e turismo espacial. Ao contrário de Bolsonaro, Musk estava na lista de 100 mais influentes no ano da ‘Time’ e estampa a capa da edição (veja ao final da checagem).

Não, Jair Bolsonaro (PL) não ganhou o título de “Personalidade do Ano” da revista Time. A escolha, de responsabilidade dos editores da publicação norte-americana, será anunciada apenas no próximo dia 13 de dezembro. Na tarde de terça-feira, 7 de dezembro, a revista publicou o resultado de uma enquete que perguntava quem deveria ser escolhido para a homenagem. Foi nessa votação online, aberta a qualquer um, que Bolsonaro ficou em primeiro lugar. O resultado, porém, não define nada. 

Fãs de Bolsonaro se mobilizaram para participar da enquete, graças a uma campanha impulsionada desde o final de novembro pelo próprio presidente, por políticos aliados e por blogs e canais governistas. 

Alguns perfis compartilharam a notícia do resultado da enquete sem explicar que se tratava de uma votação popular sem efeito prático, o que gerou confusão nas redes sociais. Postagens de grande alcance reproduziram o título “Bolsonaro é eleito personalidade do ano pela revista Time”, publicado pelo site da rádio Jovem Pan, que está incorreto. 

Presidente Jair Bolsonaro (PL) venceu enquete online da revista Time. Foto: Evaristo Sá/AFP

Bolsonaro recebeu 24% dos mais de 9 milhões de votos contabilizados em um link aberto na internet. As cinco primeiras posições são ocupadas ainda pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump (9%), pelos profissionais de saúde (6,3%), pelo ativista russo Alexei Navalny (6%) e pelos cientistas que desenvolveram as vacinas contra a covid-19 (5,3%).

Com ajuda da ferramenta de monitoramento de redes sociais CrowdTangle, o Estadão Verifica pesquisou onde o link da votação popular da Time foi mais compartilhado. No topo da lista, está uma postagem da deputada federal Carol de Toni (PSL-SC), ainda em 23 de novembro, com 17,9 mil interações no Facebook. Para se ter ideia, esse engajamento é cerca de 12 vezes maior do que o da própria revista ao convocar os seus leitores para a votação na mesma rede social. O post do veículo teve pouco mais de 1,5 mil interações, mesmo diante do fato de a Time possuir 80 vezes mais seguidores do que a deputada.

O ranking das dez maiores fontes de compartilhamentos no Facebook ainda envolve grupos alinhados com o presidente brasileiro, como páginas “Brazil Wars”, “Bolsonaro Presidente 2022”, “Nas Ruas” e “Movimento Avança Brasil”. A campanha também se estendeu para sites e blogueiros no Twitter e no Youtube.

O próprio Bolsonaro pediu votos em uma live com simpatizantes, no dia 25 de novembro. “Estamos liderando. Agradeço a quem votou em mim. Quem não votou, peço que entre lá no site da Time e vote.”

Por contar com uma amostra enviesada, formada majoritariamente por bolsonaristas, a enquete não serve como “termômetro” da popularidade do presidente, como defendem alguns de seus seguidores, nem colocam em descrédito pesquisas de opinião que apontam alta desaprovação do governo. 

Os levantamentos realizados por institutos como Ipec e Datafolha tentam ao máximo representar em suas amostras, proporcionalmente, as principais características da população brasileira — como sexo, idade, escolaridade, renda e localização geográfica —, o que resulta em um alto nível de confiança nos resultados, dentro da margem de erro.

A enquete para “Personalidade do Ano” pode ser levada em conta pelos editores da Time, mas não é decisiva para a escolha. No ano passado, por exemplo, o voto popular foi para os profissionais de saúde que atuaram na linha de frente da pandemia de covid-19, mas a revista escolheu o presidente norte-americano, Joe Biden, e a vice-presidente, Kamala Harris.

Ao anunciar a vitória de Bolsonaro na enquete, a Time escreveu que “o líder controverso, que será candidato à reeleição em 2022, está enfrentando uma desaprovação crescente pela maneira como lida com a economia e recebeu críticas generalizadas de políticos, tribunais e especialistas em saúde pública ao minimizar a gravidade da covid-19 e demonstrar ceticismo sobre as vacinas”. 

A lista de 100 pessoas mais influentes do mundo da Time, outra eleição anual da revista, divulgada em 15 de setembro, teve apenas uma brasileira na lista, a empresária Luiza Trajano. Bolsonaro ficou de fora após aparecer durante dois anos seguidos, em 2019 e 2020.

Capa da revista ‘Time’ com a personalidade do ano de 2021, Elon Musk, divulgada em 13/12. Foto: Reprodução / Time

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.