Após críticas de Bolsonaro, Flávio Dino volta a ser alvo de desinformação nas redes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Após críticas de Bolsonaro, Flávio Dino volta a ser alvo de desinformação nas redes

Governador do Maranhão foi falsamente acusado de substituir bandeira do Brasil por bandeira comunista

Alessandra Monnerat

24 de julho de 2019 | 17h44

O governador do Maranhão, Flávio Dino. Foto: Gilson Teixeira/ Divulgação

É falso que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), tenha substituído a bandeira do Brasil pela do partido comunista no palácio do governo do Estado. Boato que circula nas redes sociais usa uma foto de uma visita do vice-presidente e chefe de operações do banco chinês New Development Bank (NDB), Xian Zhu, a Dino. Na ocasião, a bandeira da China foi exposta ao lado da maranhense.

A alegação enganosa já havia sido desmentida por agências de checagem no fim de junho, mas voltou a circular após críticas dirigidas ao governador maranhense feitas por Jair Bolsonaro. Na sexta-feira, 19, o presidente da República foi ouvido em um café da manhã com correspondentes estrangeiros dizendo: “Daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão. Não tem que ter nada para esse cara”.

Nesta terça-feira, 23, Bolsonaro minimizou a repercussão negativa de sua fala em visita a Vitória da Conquista, na Bahia. “Somos todos paraíbas, somos todos baianos”, disse ele.

O termo “paraíba” é uma forma pejorativa de se referir a migrantes nordestinos, utilizada principalmente no estado do Rio de Janeiro.

A foto em que Dino aparece com a bandeira chinesa foi tirada no dia 9 de junho. Na ocasião, ele discutiu na reunião investimentos em infraestrutura no Maranhão. Como apontou a checagem do site Aos Fatos, é um protocolo hastear bandeiras de países estrangeiros que visitam a sede do governo com comitivas oficiais.

A Agência Lupa e o Fato ou Fake também desmentiram este boato, que foi selecionado para checagem por meio da parceria entre Estadão Verifica e Facebook. Para sugerir outras verificações, envie uma mensagem por WhatsApp ao número (11) 99263-7900.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: