É antiga declaração de Lula descartando candidatura à Presidência em 2022

É antiga declaração de Lula descartando candidatura à Presidência em 2022

Youtuber bolsonarista tirou de contexto fala do ex-presidente de 2020; assessoria do petista afirma que ele ainda não definiu se vai disputar as eleições

Isabela Moya, especial para o Estadão

05 de novembro de 2021 | 17h25

Em vídeo divulgado na quarta-feira, 3, um youtuber bolsonarista afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria desistido da candidatura para as eleições de 2022. Como prova, ele mostra um áudio que teria sido retirado de uma “live feita nesta semana”. Na gravação, o ex-presidente diz: “Se eu tiver juízo, eu tenho que ajudar o PT a ter outro candidato”. A declaração, na verdade, foi feita em 30 de abril de 2020.

Em falas recentes, o petista não rejeitou a possibilidade de disputar as eleições do próximo ano e a assessoria do ex-presidente confirmou que “por enquanto, Lula não definiu se será ou não candidato em 2022”. O vídeo enganoso foi publicado no canal de Ed Raposo e obteve ao menos 47 mil visualizações.

Em entrevista para o jornalista Leonardo Sakamoto, do portal UOL, Lula havia justificado a decisão de apoiar outro candidato do partido na sua idade, dizendo que estaria com 76 anos em outubro de 2022. “Para que eu fosse candidato em 2022, eu teria que estar com 100% de saúde e com uma energia que eu tenho agora”, disse.

O ex-presidente Lula. Foto: Evaristo Sá/AFP (8/10/2021)

Neste ano, porém, o ex-presidente afirmou que não sabe ainda se irá concorrer às eleições em 2022. “Eu tenho dito que não ‘estou candidato’ porque eu só vou decidir minha candidatura no começo do ano que vem”, disse, em coletiva de imprensa no dia 8 de outubro.

Uma pesquisa feita em julho deste ano pelo Instituto Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria, ex-Ibope) mostrou que Lula tinha 49% das intenções de voto, o favorito para a próxima disputa ao Palácio do Planalto.

Tentamos contato com Ed Raposo, mas não obtivemos resposta. Ao falar com seguidores do seu canal, ele informou que teria se baseado em um texto do site Jornal da Cidade Online — já checado anteriormente pelo Estadão Verifica. O portal atualizou a publicação na noite desta terça-feira, 3, informando que cometeu um erro.

Este conteúdo também foi checado por Lupa e UOL Confere.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.