‘Águas cristalinas’ na praia de Botafogo não têm relação com isolamento social
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Águas cristalinas’ na praia de Botafogo não têm relação com isolamento social

Especialistas afirmam que convergência de fatores naturais, como a mudança das marés, tornou águas da Baía de Guanabara mais claras

Pedro Prata

19 de maio de 2020 | 14h24

Atualizada às 20h de 22/05/2020.

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra as águas da praia de Botafogo, no Rio de Janeiro, aparentemente com maior nitidez. Ele é acompanhado por um comentário que relaciona o aspecto do mar com o período de isolamento social que a cidade vive desde 17 de março. Especialistas ouvidos pelo Estadão Verifica, porém, negam que a alteração na aparência da água tenha relação com a medida de combate ao novo coronavírus.

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão ligado à Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas), disse por meio de nota que o aspecto claro da água da praia de Botafogo não tem correlação direta com o isolamento social. “Essa coloração é comum no outono, em função do período de seca a da menor incidência de chuva, associado às direções de ondulação e maré, que ocasionam maior troca de água nas praias localizadas no interior da Baía de Guanabara.”

Nitidez da água na praia de Botafogo depende da combinação de fatores naturais que permitam a troca de grande volume de água entre a Baía de Guanabara e o oceano. Foto: Reprodução

A combinação de fatores naturais e humanos permite a ocorrência do fenômeno, explica o biólogo Mário Moscatelli. Segundo ele, a ocorrência da maré de lua nova ou lua cheia, associada com maré de ressaca possibilita a saída de grande volume de água comprometida da Baía de Guanabara e a entrada de água limpa vinda do oceano. “Eu não considero o isolamento e a quarentena relevantes neste fenômeno. Para ter esse efeito, tem que haver a troca de volumes muito grandes de água.”

Moscatelli destaca também que os rios Banana Podre e Berquó, que passam por Botafogo e deságuam na Baía de Guanabara, são contaminados com esgoto diariamente. Eles possuem comportas que, caso fechadas, poderiam se somar às condições naturais propícias ao fenômeno de maior nitidez da água. “Isso tudo fruto da falta de política de Estado voltada para a questão do saneamento que tem vitimado o Rio de Janeiro”, diz o biólogo. “Mais uma vez a natureza mostra que estamos perdendo.”

O Estadão Verifica utilizou a ferramenta de monitoramento de redes sociais CrowdTangle e encontrou compartilhamentos do vídeo desde domingo, 17 de maio. A publicação da página “Meu Bairro” se destacou com quase 220 mil visualizações. Em outra publicação, a autora do vídeo é identificada como Cássia Alves. Entramos em contato com ela, que nos contou que gravou o vídeo no domingo, por volta das 11h40.

O biólogo Mario Moscatelli consultou a tábua de maré e identificou maré 1.o no dia 17, o que segundo ele não seria suficiente para se observar a alteração na característica da água. Identificamos um alerta de ressaca  feito pela Marinha para o final de semana, com ondas de até 2,5 metros. Moscatelli informou que este poderia ser um dos motivos para a diferença no aspecto da água.

O Inea vai realizar coleta para análise da qualidade da água essa semana e posteriormente comparar com os resultados de abril.

Em 22 de maio, menos de uma semana após o mar de Botafogo parecer estar límpido, o cenário era completamente diferente. O projeto Olhoverde, de Moscatelli, registrou a água do mar com cor escura.

Praia de Botafogo em 22 de maio. Foto: Mario Moscatelli/Olhoverde/Divulgação

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.