Admirador de Bolsonaro divulga valor falso — e astronômico — ao exagerar cortes de gastos do governo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Admirador de Bolsonaro divulga valor falso — e astronômico — ao exagerar cortes de gastos do governo

Publicação viral no Facebook alega que governo economizou R$ 2 trilhões em 2019, o que não é verdade

Alessandra Monnerat

10 de setembro de 2019 | 11h44

Não há evidências que baseiem a alegação de uma publicação no Facebook que afirma que o governo Bolsonaro economizou R$ 2 trilhões em sete meses “fechando a torneira da corrupção”. Para conseguir essa economia, seria necessário reduzir o orçamento federal, previsto para R$ 3,2 trilhões em 2019, em quase 62%. 

De acordo com o Resultado do Tesouro Nacional de julho (divulgado em agosto deste ano), no acumulado dos primeiros sete meses de governo, a despesa total diminuiu 0,9% em termos reais, em comparação ao mesmo período de 2018. A diferença foi de R$ 7 bilhões.  A principal redução foi de despesas discricionárias, que diminuíram em R$ 12 bilhões, ou 18% em relação aos meses de janeiro a julho do ano anterior.

No total, o valor destinado a esse tipo de gasto atingiu R$ 121,5 bilhões no período de 12 meses encerrado em julho de 2019, o mesmo nível de novembro de 2009. A expectativa do governo é que as discricionárias cheguem a R$ 94,9 bilhões no fim deste ano, o menor valor desde o início da série histórica, de maio de 2009.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil 6/5/2019

Despesas discricionárias são gastos não obrigatórios. Este é o tipo de custo que pode ser contingenciado, como mostra este documento do Ministério da Fazenda do final do ano passado.

Segundo o Tesouro Nacional, as despesas obrigatórias consomem a totalidade da receita líquida federal desde 2015. A maior parte (48%) é destinada a benefícios previdenciários, seguido de gastos com pessoal e encargos sociais (24%). De janeiro a julho deste ano, o déficit primário acumulado (diferença entre receita e gastos) foi de R$ 35 bilhões. 

Este conteúdo foi selecionado para checagem por meio da parceria entre Estadão Verifica e Facebook. Para sugerir verificações, envie uma mensagem para (11) 99263-7900.

Tendências: