Vacina não era primazia de Bolsonaro nas redes

Vacina não era primazia de Bolsonaro nas redes

Coluna do Estadão

23 de março de 2021 | 05h00

Presidente Jair Bolsonaro; FOTO: UESLEI MARCELINO/REUTERS

Acuado por economistas, empresários, políticos e panelaços, Jair Bolsonaro deflagrou campanha para tentar convencer os brasileiros de que vai tudo bem com a vacinação no País. Em nova narrativa apresentada à praça pela Secom, ele sempre se preocupou e defendeu a vacina. Não é bem assim. Em um ano de pandemia, apenas 2,4% das publicações do sempre ativo Bolsonaro em redes sociais tratavam de vacinação contra a covid-19, segundo a consultoria Bites. Pior: algumas dessas postagens criticavam a Coronavac e a vacinação obrigatória.

Prioridades. De março de 2020 até o último dia 19, portanto antes de o governo federal deflagrar a campanha, foram 4.822 posts, 115 tratando de imunizantes.

Quer dizer. A maioria dessas publicações de Bolsonaro, 97, era sobre alguma informação ou anúncio de ação (exemplo: Ministério da Saúde comprou vacina X). As demais foram críticas à vacinação obrigatória (8) e à Coronavac (10), bancada por João Doria.

Empate técnico. Foi pequena a diferença de publicações entre cloroquina (109) e vacina, sendo que a primeira não tem eficácia comprovada.

Cortina de fumaça. “Bolsonaro dispersou a atenção dos seguidores e de quem gostaria de uma posição oficial do governo sobre temas importantes, como a vacinação”, disse Manoel Fernandes, diretor da Bites.

LEIA TAMBÉM: Revogar Lei de Segurança Nacional seria ‘irresponsabilidade monumental’, diz Etchegoyen

Senado pretende negociar antecipação de vacinas do consórcio Covax Facility

Indefinição. De Mauro Junqueira, secretário-executivo do Conasems, sobre a demora na posse do novo ministro da Saúde: “Todos ficam aguardando o que pode mudar com Marcelo Queiroga. Instabilidade geral de quem fica e quem sai. E em um momento que não dá para esperar.”

SINAIS PARTICULARES.
Marcelo Queiroga, indicado para o Ministério da Saúde

Ilustração: Kleber Sales

CLICK. Dias Toffoli (abaixo, à esq.) participou de reunião com o Prerrogativas. Foi o segundo ministro do STF a conversar com o grupo em três dias. Na pauta, discussão sobre o sistema judiciário e Lula.

Coluna do Estadão

PRONTO, FALEI! 

Crédito: Pedro França/Agência Senado

Cristovam Buarque, ex-senador: “Quem reconhecerá primeiro o erro de seu governo: Jair Bolsonaro, de que não enfrentou a epidemia; ou o PT, de que não enfrentou a corrupção?”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonarocovid-19coronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.