Tucanos atentos à abstenção na pandemia

Tucanos atentos à abstenção na pandemia

Coluna do Estadão

27 de novembro de 2020 | 05h00

Foto: Werther Santana / Estadão

As circunstâncias atípicas destas eleições em tempos de pandemia levaram as campanhas a produzirem cálculos complexos sobre o impacto da abstenção e dos votos nulos e brancos no resultado final. A conclusão é de que esse contingente pode fazer a diferença. Em São Paulo, mesmo estando em vantagem nas pesquisas, Bruno Covas (PSDB) tem dedicado atenção ao tema: entende ser esse o principal fator de instabilidade hoje. Por ora, a avaliação dos tucanos é de que não há uma onda a favor de Guilherme Boulos (PSOL), no máximo, uma “ondinha”.

A ver. Claro, os tucanos avaliam que a campanha está aberta, mas, com base nas pesquisas, acham que Covas atingiu uma consistência eleitoral. Se ele não derrapar no debate de hoje na TV Globo, o foco da reta final será levar o eleitor do prefeito às urnas, especialmente a “terceira idade”, temerosa com a covid-19.

De leve. Até aqui, há excesso de cuidados da campanha de Covas em criticar Boulos: deixou o candidato do PSOL desempenhar sem contraponto o papel de “opção paz e amor”.

Ponto… Enquanto isso, Boulos foi eficiente em criticar Covas. Por isso, a campanha dele continuará apostando pesado nas redes sociais e nos jovens.

…fraco. De acordo com Manoel Fernandes, da Bites Consultoria, Covas negligenciou a importância das redes sociais e agora não tem volume suficiente para se contrapor à ofensiva de seu adversário, especialmente quando o assunto é o vice Ricardo Nunes.

Grana. Nos últimos sete dias, Covas investiu R$ 78 mil em impulsionamentos de conteúdo no Facebook e no Instagram.

Deu ruim. A campanha tucana também pagou por um anúncio no Google, que aparece como resultado quando o nome de Nunes é buscado. O link pago, no entanto, tinha sido pouco compartilhado até ontem.

Gol tucano. A campanha de Covas obteve importante vitória. A Justiça entendeu que Boulos “faltou com a verdade” em sua campanha ao usar imagens do transporte público da capital paulista feita antes da atual administração.

CLICK. Damares Alves participou de live com a confeiteira Ada Silva. Enquanto enfeitava um bolo, a ministra fez apelos para que mulheres denunciem casos de violência.

Reprodução/Instagram

Melhor… Governadores já avaliam a compra de câmaras refrigeradas e de “ultrafreezeres” na expectativa da vacina contra a covid-19. Acham que logo mais os preços vão atingir cifras altas e faltarão aparelhos disponíveis no mercado.

…prevenir. O Ceará abriu licitação para compra de 147 câmaras refrigeradas: a ideia é ter praticamente um por município. O Rio está na mesma toada.

Ultra. A vacina da Pfizer, por exemplo, precisa ser mantida numa temperatura de -70°C. Isso demanda um congelador especial, o “ultrafreezer”. Pernambuco está fazendo pesquisa de preço: a média, hoje, é de R$ 80 mil cada um.

É… Aliados de Rodrigo Maia (DEM-RJ) estão incomodados com a forma como o presidente da Câmara conduz sua sucessão.

…minha. Apesar de afirmar não pretender tentar novo mandato no cargo, Maia ainda está muito tímido, na visão desses aliados, na maneira como conduz as negociações em torno de um candidato do grupo. Acham que ele está agarrado à cadeira de presidente.

SINAIS PARTICULARES.
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados

Ilustração: Kleber Sales

PRONTO, FALEI!

Foto: Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação

Paulo Lotufo, epidemiologista e professor da USP: “Corretíssima decisão da PGR. A obrigatoriedade somente terá efeito quando houver vacina para todos, o que infelizmente ainda irá demorar.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.