TSE rejeita pedido de ala lulista do MDB para adiar convenção do partido

TSE rejeita pedido de ala lulista do MDB para adiar convenção do partido

Julia Lindner

26 de julho de 2022 | 11h41

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, indeferiu o pedido do prefeito de Cacimbinhas (AL), Hugo Wanderley, aliado do senador Renan Calheiros (MDB-AL), para adiar a convenção do MDB, prevista para ocorrer nesta quarta-feira, 27. O evento de amanhã deve marcar o lançamento da candidatura de Simone Tebet (MDB-MS) à presidência da República.

Ministro Edson Fachin, presidente do TSE. Foto: Roberto Jayme/TSE

A ação de Wanderley contra a convenção do MDB foi baseada no fato de o evento ocorrer em formato digital, o que, para o prefeito, poderia implicar na quebra de sigilo dos votos, que devem ser secretos. Na decisão, Fachin considerou que não ficou comprovado o risco de haver exposição dos votos.

Fachin acrescenta que a sua determinação não impede que, “caso constatada a efetiva violação do sigilo do voto durante a Convenção Partidária Ordinária do MDB, a ser realizada em 27.07.2022, a questão possa ser novamente visitada, contudo, diante de novo contexto fático e probatório”.

Leia também: Renan elabora, mas não assina documento contra convenção do MDB

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.