TJ do Rio Grande do Norte recua e cancela novo penduricalho

TJ do Rio Grande do Norte recua e cancela novo penduricalho

Andreza Matais

16 de abril de 2018 | 18h01

TJ RN. Foto

 

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte cancelou a resolução que concedia aos juízes e desembargadores o direito de receber licença-prêmio retroativa a 1998. A decisão foi tomada após a Coluna do Estadão revelar que eles se concederam o benefício na última quarta-feira. A estimativa é que juízes que atuam no tribunal nos últimos 22 anos teriam direito a receber R$ 300 mil de uma só vez. A medida alcançava também juízes aposentados e familiares de magistrados que faleceram.

O presidente da OAB, Claudio Lamachia, criticou nesta segunda-feira o benefício que os magistrados se autoconcederam. “O Brasil passa por forte crise econômica e moral que tem prejudicado a maioria esmagadora dos brasileiros. Uma das medidas necessárias para a superação dessa crise é o fim imediato dos privilégios ilegais, como os auxílios e salários acima do teto do funcionalismo público”, afirmou.

Após a Coluna revelar o caso, o  corregedor nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, também determinou a abertura de procedimento para apurar a constitucionalidade de lei estadual que permitiu o pagamento.

Após a repercussão negativa, a portaria 506/2018 foi baixada pela Presidência do TJRN, nesta segunda-feira (16), determinando o indeferimento e arquivamento de todos os requerimentos de concessão de licença-prêmio e/ou conversão em pecúnia de períodos de licença-prêmio não usufruídos pelos membros do Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Norte. A medida prevalece até o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 1059466 pelo Supremo Tribunal Federal, que analisa o direito dos juízes à premiação por tempo de serviço ou a indenização por sua não fruição. O relator é o ministro Alexandre de Moraes.

Na nota, a presidência do TJ diz que “o usufruto da pecúnia não integra prioridades ou meta da Presidência do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.