Terceira via: empresários veem com esperança saldo de ato contra Bolsonaro

Terceira via: empresários veem com esperança saldo de ato contra Bolsonaro

Coluna do Estadão

14 de setembro de 2021 | 05h00

A participação de pré-candidatos do centro nas manifestações do domingo, 12, encheu de ânimo parcelas do empresariado e do mercado que ainda acreditam na construção de uma alternativa à polarização Lula-Bolsonaro. Primeiro, porque eles avançaram casas: deixaram a fase da conversa de bastidores para, sob a luz do sol, subirem nos palanques, onde disseram o que pensam. Mas também porque, a despeito das provocações do PT e de Bolsonaro, os presidenciáveis ainda não trocaram farpas entre si, o que foi lido como sinal para futuras alianças.

Foto: Bruno Ribeiro/Estadão

Meio… Em conversa com a Coluna, porta-vozes desses grupos não minimizaram o fato de a manifestação de domingo ter contado com adesão menor do que a do 7 de Setembro e a da esquerda, em julho.

…cheio. Porém, eles entendem que agora os pré-candidatos têm de sair da toca. Alguns, para ganhar traquejo, como Simone Tebet (MDB), Henrique Mandetta (DEM) e Alessandro Vieira (Cidadania). Outros, como Ciro Gomes (PDT), João Doria e Eduardo Leite (ambos do PSDB), para modelarem o discurso.

Tô aqui! Claro, e para ficarem mais conhecidos. Bolsonaro e Lula têm recall e superexposição diária.

Será? Um interlocutor de grandes investidores internacionais diz que eles ainda acreditam no surgimento de uma terceira via. Citam o exemplo da eleição do governador Romeu Zema (Novo) em Minas, na reta finalíssima.

Fala que… Após a Paulista, Ciro Gomes participou da série de lives do grupo Parlatório SA. Empresários, economistas e juristas integram o grupo e encabeçam o projeto para ouvir diferentes projetos para 2022.

…eu te escuto. Estiveram na live o empresário Jorge Gerdau, o ex-ministro do STF Ayres Britto, o ex-ministro Luiz Furlan e o embaixador Rubens Barbosa.

CLICK. O presidenciável Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o presidente nacional do PV, José Luiz Penna, no esquenta para o protesto de domingo, 12, contra Bolsonaro.

Deixa… A organização do ato de domingo, 12, tenta botar panos quentes na indisposição entre MBL e Vem Pra Rua por causa do boneco que retratava Lula e Bolsonaro como siameses, inflado na Paulista.

…quieto. Líderes do Vem Pra Rua entenderam que não seria um problema criticar Lula, já que o PT se negou a estar no ato. A porta-voz Adelaide Amaral chegou a mediar conversas com a esquerda no caminhão do Vem Pra Rua, mas não houve recuo quanto ao bonecão inflável.

Aff. Empenhado em atrair a esquerda, o líder do MBL Renan Santos chamou a atitude do Vem Pra Rua de “infantil” e “deprimente” e afirmou que a provocação poderia levar “uma construção para o buraco”.

Ponto… Na prática, a esquerda, arisca, prefere avaliar o ato como se tivessem sido dois: um do MBL e um do Vem Pra Rua. Para Isa Penna (PSOL), sim, a provocação contra petistas pode ter um preço caro.

…de vista. “Vai dificultar. Se todos abraçarem suas próprias pautas não conseguiremos o objetivo principal da frente ampla que é tirar o Bolsonaro”, disse à Coluna a deputada estadual, que elogiou o “exercício de democracia” demonstrado no caminhão do MBL.

Não viu lá? O pixuleco siamês deve ser explorado pelo PT como parte do malabarismo discursivo para justificar a não adesão aos próximos atos de frente ampla contra Bolsonaro.

Zap. Ciro Nogueira agora usa figurinhas dele mesmo para responder no WhatsApp. Em uma delas, o chefe da Casa Civil de Bolsonaro aparece tapando a boca. Essa costuma ser usada quando ele não quer comentar determinado assunto.

SINAIS PARTICULARES. Ciro Nogueira (PP-PI), ministro-chefe da Casa Civil. Ilustração: Kleber Sales/Estadão

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MATHEUS LARA

PRONTO, FALEI!

Adriana Ventura, deputada federal (Novo-SP)

“A política brasileira repete seus vícios Anos 90, escândalo dos Anões do Orçamento, emendas de relator utilizaram o dinheiro público de forma “pouco republicana”. 2019-21, emendas de relator voltam com nova roupagem (RP-9), e continuam com os velhos hábitos: sem transparência e critérios.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.