Enquanto Manaus agoniza, negacionistas se refugiam no Telegram

Enquanto Manaus agoniza, negacionistas se refugiam no Telegram

Coluna do Estadão

15 de janeiro de 2021 | 05h00

Reprodução/Instagram

Enquanto brasileiros morrem de covid-19 e Manaus entra em colapso por falta de oxigênio, bolsonaristas migram em massa para o Telegram para criticar a imprensa, apoiar Donald Trump e, sobretudo, divulgar, sem filtro, pudor ou comprovação científica, mensagens negacionistas e mentiras sobre a pandemia. “O lockdown não ajudou, nem nos ajudará, tratar precocemente é o que devemos fazer”, diz vídeo que desestimula o uso de máscaras. A escolha do aplicativo de mensagens é uma retaliação às políticas de privacidade do WhatsApp (Facebook).

Turma. Blogueiros e parlamentares simpáticos a Jair Bolsonaro criam canais que funcionam como chats.

Vixe. O vídeo é intitulado “Não espere”. Enquanto tiram as máscaras, os participantes dizem: “Queremos respirar”. Participam as deputadas Carolina de Toni (PSL-SC), Bia Kicis (PSL-DF) e Chris Tonietto (PSL-RJ) e a juíza Ludmila Grilo, que viralizou ensinando a burlar o uso da máscara.

Sério? No canal de Hélio Lopes (PSL-RJ), o parlamentar diz: “Somente no prédio da Presidência, mais de 200 pessoas contraíram o vírus e se curaram com tratamento precoce”.

Escárnio. Em live que entrará negativamente para a história, Bolsonaro e Eduardo Pazuello se esquivaram de responsabilidade no colapso de Manaus repetindo a tese do tal tratamento. Ah, vale lembrar que os bolsonaristas comemoraram o afrouxamento das restrições no Amazonas.

Risco. Tratamento precoce significa: tomar hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina sem prescrição médica ou sintomas. Não há qualquer comprovação científica de que funcione e é desaconselhado pela comunidade médica.

CLICK. A juíza de MG Ludmila Lins Grilo participa de “clipe” repetindo gesto que lhe rendeu representações no CNJ: tomar sorvete para não precisar usar a máscara.

Reprodução

LEIA TAMBÉM: Expectativa é vacinar 5% da população de cada cidade em primeira fase, diz presidente da FNP

Cadê? De Antonio Neto, presidente do Diretório Municipal do PDT em São Paulo: “A pergunta que não cala: onde está Paulo Guedes? De tempos em tempos ele some e depois aparece com mais uma previsão em V”.

Ilustração: Kleber Sales

PRONTO, FALEI! 

Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Joice Hasselmann, deputada federal (PSL-SP): “Pazuello, cadê o oxigênio para salvar vidas em Manaus? Você esteve lá recentemente, incompetente!”, sobre participação do ministro em live com Jair Bolsonaro.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.