Semipresidencialismo: PT desconfia de Lira

Semipresidencialismo: PT desconfia de Lira

Coluna do Estadão

31 de julho de 2021 | 05h00

Arthur Lira, presidente da Câmara, e Luís Roberto Barroso, presidente do TSE. FOTO: PABLO VALADARES/AG. CÂMARA

Mesmo entre petistas há o reconhecimento de que a campanha do ministro Gilmar Mendes, do STF, e do ex-presidente Michel Temer pelo semipresidencialismo é legítima e autêntica, dentro da busca de soluções para as frequentes crises políticas do País. A preocupação na esquerda, refratária ao modelo, está na defesa feita por Arthur Lira (PP-AL) e Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, que passaram a apregoar o sistema de governo recentemente. O presidente da Câmara, aliado de Jair Bolsonaro, “interdita” o debate, dizem petistas.

Faz tempo. Gilmar defende o modelo desde quando presidiu o TSE, em 2017, mesmo período em que Temer encampou a ideia. Na época, ambos se encontraram oficialmente no Planalto para tratar do assunto.

De agora. Os petistas desconfiam que Lira banca a proposta agora como forma de dar sobrevida a Bolsonaro e evitar uma possível reeleição de Lula em 2026. Quanto a Barroso, a esquerda ainda tenta entender os motivos do ministro.

Conte… Arthur Lira, em debate do qual participou Gilmar Mendes, da revista Consultor Jurídico, disse que o impeachment de Bolsonaro seria “desastroso”. Segundo ele, o Centrão ajudaria a governar o País “com responsabilidade no semipresidencialismo”.

…comigo. Para Gilmar, “essa reforma poderia se fazer de maneira a não termos que lançar mão de plebiscito ou referendo. É uma reforma significativa, mas ainda no âmbito do poder de reforma do Congresso”.

CLICK. A deputada Tábata Amaral autografou seu livro Nosso Lugar durante lançamento no Recife, que contou com a presença do prefeito da cidade, João Campos.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Tá… Quem conhece do riscado avalia que André Mendonça pode perder o timing de se viabilizar para a vaga no STF. O indicado de Bolsonaro já deveria estar com muitos apoios costurados de entidades civis e da comunidade jurídica.

…lento. Depender exclusivamente do ex-chefe, dos evangélicos e de Rodrigo Pacheco (DEM-MG) como padrinhos pode não ser suficiente para vencer a sabatina no Senado Federal.

Prazo. Doutor em direito, o criminalista Renato Stanziola Vieira, analisou, no mestrado, o dispositivo que impõe limite de tempo para mandatos de ministros do STF, tema pertinente por conta da idade de Mendonça, 48 anos.

Prazo 2. A regra, na opinião dele, do escritório Kehdi e Vieira Advogados, evitaria que presidentes mantivessem longa influência sobre a Corte. Exemplo consumado recente é o de Nunes Marques, que poderá ficar no STF por 26 anos.

Arejar. “Aumentar a frequência da renovação é uma forma de permitir um debate mais rico no Supremo, muito importante em uma democracia”, diz Stanziola Vieira, que também sugere mudanças na forma de ingresso dos ministros.

Visual. João Doria aposentou o paletó e a gravata e tem usado jaqueta e tênis quase diariamente. Segundo pesquisas, a imagem muito arrumada do governador o deixava mais distante do “cidadão comum”.

SINAIS PARTICULARES.
João Doria, governador de São Paulo

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

PRONTO, FALEI!

Flávio Dino. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Flávio Dino, governador do Maranhão: “Nero tocava lira enquanto o incêndio queimava Roma. Bem parecido com essa noite, com o incêndio da Cinemateca e a live mais desvairada da história.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.