PSDB, PV e Cidadania se unem à esquerda em construção de ato na Paulista contra Bolsonaro

PSDB, PV e Cidadania se unem à esquerda em construção de ato na Paulista contra Bolsonaro

Alberto Bombig e Matheus Lara

25 de setembro de 2021 | 05h00

Representantes de diretórios municipais de PSDB, PV e Cidadania ingressaram na construção do protesto de 2 de outubro contra Jair Bolsonaro, convocado inicialmente pelas esquerdas. É a primeira vez que filiados desses partidos passam a integrar o grupo que encabeça os atos. Reunião nesta sexta, 24, também com PT, PCdoB, PSOL, PDT, PSB, Rede e a coalizão Fora Bolsonaro, selou a aliança. “É um amadurecimento. Não dá para derrubar Bolsonaro só com partidos de esquerda, é preciso somar forças”, diz Carolini Gonçalves, do diretório tucano.

A ver. O diretório estadual do PSDB se reúne na próxima semana para decidir qual posição tomar sobre esses protestos.

Juntos. Ainda que militantes dos três partidos já viessem participando dos atos nas ruas, a adesão à organização das manifestações contrárias a Bolsonaro é um passo adiante.

Reflexo. A união municipal foi reflexo da ação de diretórios nacionais de partidos de centro após o 7 de Setembro, quando vários anunciaram início de discussões internas sobre o apoio ao impeachment. No dia 9, por exemplo, o PSDB passou oficialmente para a oposição a Jair Bolsonaro.

Ato de 29 de maio contra Bolsonaro na Av. Paulista. Foto: Taba Benedicto/Estadão

Estamos… Centrais sindicais saíram em defesa de Bruna Brelaz, presidente da UNE, que tem sido alvo de ataques da esquerda nas redes sociais por dialogar com lideranças como FHC e Ciro Gomes pelo impeachment de Bolsonaro, como mostrou a Coluna.

…juntos. “Só construiremos este país com diálogo”, disse Ricardo Patah, da UGT. Miguel Torres, da Força Sindical, foi na mesma linha: “As palavras da frente contra Bolsonaro são diálogo e democracia. Com o andar do caminhão, as abóboras se acomodam”.

Bonde. Tabata Amaral quer “chegar chegando” no PSB. De olho em fortalecer sua base para 2022, a deputada federal reuniu mais de cem lideranças da periferia de São Paulo, de onde vem, para assinar ficha de filiação em sua nova sigla.

Vixe. Depois de assinar com outros 19 governadores carta em que aponta o aumento dos combustíveis como um problema nacional e não ligado ao ICMS, Romeu Zema (Novo-MG) virou alvo de bolsonaristas.

Até tu? A presença de Zema na carta sobre o ICMS foi recebida com certa surpresa no Fórum dos Governadores, já que ele costumava evitar bolas divididas.

Poxa. A deputada Alê Silva (PSL-MG) aproveitou a onda de críticas e acusou o governo de Zema de “negligente”, reclamando de ser ignorada pelo secretário de governo mineiro Igor Eto. “Minas vem tendo um prejuízo atrás do outro.”

CLICK. As secretarias de Logística e Transportes e de Educação de São Paulo lançaram um concurso de desenho destinado aos alunos do ensino fundamental sobre vida nas ruas e estradas. “Comemoramos a Semana Nacional de Trânsito. O momento é providencial para promovermos ações que possam transformar as crianças em multiplicadoras da boa educação no trânsito”, afirmou o secretário estadual de Logística e Transportes, João Octaviano Machado Neto. O regulamento está disponível no site do CRE Mário Covas. Os ganhadores serão conhecidos no dia 10 de dezembro.

Consultoria. O ex-secretário de Desestatização do governo Salim Mattar dará dicas sobre a concessão de portos à iniciativa privada e falará sobre pontos de entraves dos processos à Associação de Terminais Portuários Privados (ATP), em encontro em 27 de outubro.

Anzol. Amigo de pescaria de Lula, Zeca do PT deve ser candidato a governador de Mato Grosso do Sul, Estado que já comandou. Porém, ele não descarta abrir mão de encabeçar a chapa se for para ajudar o projeto nacional do ex-presidente petista.

SINAIS PARTICULARES. Zeca do PT, ex-governador do Mato Grosso do Sul. Ilustração: Kleber Sales/Estadão

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MATHEUS LARA

PRONTO, FALEI!

Heni Ozi Cukier, deputado estadual (Novo-SP)

“Papai Noel e Coelho da Páscoa estão ultrapassados. Hoje em dia tem adulto que acredita em Paulo Guedes liberal e Jair Bolsonaro moderado.”

Foto: Christinna Rufatto

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.