Presidente da UNE vira alvo da esquerda por ampliar diálogo pelo impeachment

Presidente da UNE vira alvo da esquerda por ampliar diálogo pelo impeachment

Alberto Bombig e Matheus Lara

24 de setembro de 2021 | 05h00

As críticas endereçadas a Bruna Brelaz, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), ilustram à perfeição as dificuldades pela esquerda na formação da tal “frente ampla” contra Jair Bolsonaro. Desde que passou a manter agendas públicas com líderes do centro ou adversários de Lula, ela virou alvo. Nesta semana, Bruna Brelaz esteve com FHC (PSDB). Ainda em setembro, com Ciro Gomes (PDT) e, no último dia 12 , subiu no caminhão de som do MBL em ato contra Bolsonaro na Paulista. À Coluna, ela disse ter a “consciência tranquila”.

Como é? “Decepção” e “vergonha” aparecem com frequência em comentários críticos aos diálogos de Brelaz. “Contrassenso com a história e com a base da UNE”, escreveu um seguidor dela nas redes sociais.

É assim. Brelaz tem suado para transmitir à base altamente ideologizada do movimento a mensagem de que é preciso dialogar para construir uma saída em defesa da democracia.

Causa. “Independentemente das críticas, fico com a consciência tranquila. Tirar Bolsonaro é assegurar o palco democrático para discutir divergências”, diz a líder estudantil.

Na prática. Por causa de Bruna Brelaz e da diretoria da UNE, a entidade tem mantido boa interlocução com movimentos e partidos não associados à esquerda para o ato de 2 de outubro próximo.

FHC e Bruna Brelaz (UNE) em encontro nesta semana. Foto: Reprodução/Instagram Bruna Brelaz

Tá… A mais recente pesquisa Ipec provocou reações distintas na esquerda: os mais otimistas continuam vendo a chance de Lula, com 48% das intenções em um dos cenários, vencer no primeiro turno.

…no teto? Outros observam que, como mostrado pela Coluna, Lula parou de crescer desde junho passado, quando tinha 49%.

CLICK. Deputados do Novo fizeram vídeo para passar o tempo enquanto esquerda protestava contra reforma administrativa. “Furdúncio”, disse Tiago Mitraud (à esq.).

Nostradamus. Viralizou na internet vídeo em que o então ministro da Saúde, Henrique Mandetta, “prevê”, ainda em março do ano passado, a calamidade da Prevent Senior.

Uau! “Um empresário iniciou venda dos planos só para pessoas acima de 60 anos. Mais barato, mas não diluiu risco, ficou com (os pacientes) mais complexos. Não contava com a entrada de um vírus para esse paciente e provavelmente não tomou as barreiras que precisaria ter tomado antes da entrada do vírus”, diz o então ministro Mandetta no vídeo.

SINAIS PARTICULARES. Henrique Mandetta (DEM), ex-ministro da Saúde. Ilustração: Kleber Sales/Estadão

Tá lá. Procurado pela Coluna para comentar o assunto, Mandetta, pré-candidato a presidente da República, se limitou a dizer: “O vídeo é autoexplicativo naquele 31 de março”.

Vem… Enquanto avança na fusão com o DEM, o PSL-SP ainda sonha em ter Geraldo Alckmin como candidato a governador.

…pra cá. “Dentro do nosso propósito de crescer no número de federais e de eleger o maior número de governadores, Geraldo é palatável. Agrega ao partido a candidatura do Geraldo. A eleição estaria pavimentada e confortável”, diz Júnior Bozzella (PSL).

Planos. Um acordo do PSL com o PSDB, na chapa do vice-governador Rodrigo Garcia, com Bozzella como candidato a vice, ou uma aliança com o MBL, com o deputado estadual Arthur do Val (hoje no Patriota) na cabeça de chapa, também estão sendo analisados por dirigentes da sigla.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MATHEUS LARA

PRONTO, FALEI!

Alvaro Dias (Podemos-PR), senador

“‘Vagabundo’, ‘picareta’. Senadores trocam xingamentos na CPI e precisam ser contidos. Até quando continuarão envergonhando o Senado Federal?”

Foto: Gabriela Biló/Estadão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.