Pressionado, relator tem de gastar ‘tucanês’

Pressionado, relator tem de gastar ‘tucanês’

Coluna do Estadão

21 de maio de 2019 | 05h00

Samuel Moreira. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

As declarações em torno das alterações que a Câmara prepara na PEC da Previdência foram exercício de retórica cujo resultado final era sempre o mesmo, o Legislativo mudará substancialmente o texto enviado pela equipe de Paulo Guedes, caso contrário, não há chance de aprovação no curto prazo. Pressionado, o relator da Comissão Especial, Samuel Moreira (PSDB-SP), gastou o “tucanês”: primeiro, admitiu as mudanças, mas disse que não haveria um “substitutivo”; depois arrematou: “Se houver as alterações, será apresentado um substitutivo”. Ah…

Substitutivo. Moreira, inclusive, admitiu informação antecipada pela Coluna: a regra de transição, um dos pilares da reforma do governo, vai sofrer alterações no Legislativo.

Vida dura. Regra de transição tem sido uma pedra no sapato do relator Samuel Moreira. Praticamente metade da PEC da reforma trata desse tema.

Truco! Quem não mediu palavras foi Jair Bolsonaro. Ao seu estilo, primeiro desafiou os parlamentares a colocar o texto deles em votação. Depois, amenizou o tom, mas ficou guardada na memória dos deputados a primeira declaração.

Megafone. Apesar de o PSL ainda não ter decidido se participará da manifestação pró-Bolsonaro do dia 26, membros do partido em SP fizeram uma vaquinha para alugar um carro de som na Avenida Paulista.

Desabafo. “Cansei de ver gente se estapeando na campanha para tirar uma foto com o Jair. Gente do PP, PRB, PR, DEM. Agora, vejo eles comemorando derrotas do governo. Na campanha, Bolsonaro levou uma facada na barriga. Hoje, recebe todo dia uma nas costas”, diz Major Olímpio.

Sem… No entorno de Rodrigo Maia, não são poucos a defender que, em vez de deixar a MP da Esplanada caducar no dia 3, o presidente da Câmara faça um esforço para inverter a pauta e votar o texto do Executivo.

…provocação. Se deixar a MP caducar, o Congresso estará dando combustível ao discurso de que dificulta a governabilidade. De outro lado, se pautar, obrigará o governo a entrar em ação para aprovar seus projetos.

SINAIS PARTICULARES
GOVERNADORES
Mauro Mendes (DEM-MT)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Distância… O GSI lançou edital de locação de “alambrados disciplinadores” para cercar o Palácio do Planalto e proteger o presidente Jair Bolsonaro, seus familiares e outras autoridades de possíveis manifestações.

…de segurança. Serão 40 mil metros de alambrados, o dobro do contratado em 2018, com previsão de custo de R$ 193 mil no total.

Torneira. O primeiro caça Gripen, previsto para ficar pronto este ano, só será entregue em 2021 por causa dos sucessivos cortes no orçamento da Defesa.

CLICK. O governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) recebeu o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e a bancada de deputados para conversar sobre a nova Previdência.

FOTO: HEGON CORRÊA/DIVULGAÇÃO RONALDO CAIADO

Dever… A CCJ do Senado vota nesta quarta-feira relatório do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) que criminaliza a homofobia, um dia antes de o STF retomar julgamento sobre o assunto.

…de casa. Ontem o senador Marcos Rogério (DEM-RO) apresentou requerimento para o projeto ser analisado, também, pela Comissão de Direitos Humanos antes de ir ao plenário.

Veto. Familiares são hoje o maior entrave à pré-candidatura de Ana Estela Haddad (PT) a prefeito de SP.

PRONTO, FALEI!

Deputado Jerônimo Goergen. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Jerônimo Goergen, deputado federal (PP-RS): “Esse chamamento é desnecessário, Bolsonaro tem apoio. Collor chamou o povo às ruas e o povo, de preto, forçou sua queda”, sobre protestos do dia 26.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao