Políticos do Podemos pedem cabeça de Arthur do Val após áudio sobre refugiadas ucranianas

Políticos do Podemos pedem cabeça de Arthur do Val após áudio sobre refugiadas ucranianas

Matheus Lara

05 de março de 2022 | 13h49

O temor do impacto das polêmicas envolvendo membros do MBL na pré-candidatura de Sérgio Moro fez a paciência diminuir entre políticos do Podemos. Após as declarações de Kim Kataguiri sobre nazismo, em fevereiro, e os áudios de Arthur do Val, sobre refugiadas ucranianas, cresceu a pressão para que se tenha cada vez menos tolerância com episódios desse tipo dentro da sigla.

Após o partido abrir processo disciplinar que pode levar à expulsão de Arthur do Podemos, políticos da sigla sugerem que ele se adiante: “Minha posição é de pedir a ele que se desligue do partido e, se não concordar, que se decida pela expulsão É o que tem que ser feito”, disse o senador Alvaro Dias (PR).

Arthur do Val era pré-candidato a governador de São Paulo pelo Podemos e anunciou neste sábado a retirada de seu nome da disputa após a polêmica dos áudios.

“Ele vai pagar o preço”, afirmou o deputado José Nelto (GO). “O Podemos terá que tomar uma posição, mas o melhor para ele agora é pedir para sair do partido imediatamente para não ser expulso. Sobre a convivência dele no mundo político, ele mesmo pôs um ponto final.”

Em viagem à Europa para acompanhar o conflito e com o discurso de ajudar o lado atacado pela Rússia, Arthur enviou a amigos áudios dizendo que as ucranianas são “fáceis porque são pobres”. “Vou te dizer, são fáceis, porque elas são pobres. E aqui minha carta do Instagram, cheia de inscritos, funciona demais. Não peguei ninguém, mas eu colei em duas ‘minas’, em dois grupos de ‘mina’, e é inacreditável a facilidade”.

Neste sábado, na chegada ao Brasil, ele reconheceu que o teor machista das declarações e pediu desculpas. Arthur ainda deixou claro que não sabe se vai tocar adiante sua pré-candidatura ao governo do Estado.

Neste sábado, 5, Arthur do Val publicou vídeo pedindo desculpas por vídeo com declarações machistas contra refugiadas ucranianas. Foto: Reprodução/Canal Mamãe Falei/Youtube

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.