Para aliados, Bolsonaro acerta ao buscar refúgio na agenda ‘conservadora raiz’

Para aliados, Bolsonaro acerta ao buscar refúgio na agenda ‘conservadora raiz’

Alberto Bombig, Camila Turtelli e Matheus Lara

08 de dezembro de 2021 | 02h00

Bolsonaro participa de evento com empresários promovido pela CNI em Brasília em 7 de dezembro de 2021. Foto: Gabriela Biló/Estadão

O núcleo mais restrito em torno de Jair Bolsonaro diz que ele está conseguindo estancar a sangria desatada de sua popularidade após ter retomado fortemente a “agenda conservadora raiz”, principalmente no campo dos costumes: acenos aos religiosos (evangélicos à frente), críticas ao conteúdo do Enem e aos movimentos em prol da diversidade sexual, além de novos ataques às medidas restritivas à circulação na pandemia. O presidente estaria começando a recuperar eleitores que viraram as costas para ele. O estado do paciente ainda é grave, mas Bolsonaro pode ter reencontrado o caminho ou ao menos desviado a atenção dos brasileiros das dificuldades na economia, afirma um aliado dele.

AINDA… Pesquisa que estava em fase de conclusão nesta terça-feira, 7, deverá confirmar essa melhora na avaliação de Jair Bolsonaro, impulsionada por índices das Regiões Sul e Sudeste, pelos mais ricos e pelos conservadores. Por isso, quem conhece bem Bolsonaro diz que ele não está disposto a ceder mais na batalha em torno do passaporte da vacina.

…PULSA. Entre os defensores do passaporte vacinal, há forte expectativa de que o ministro Luís Roberto Barroso determine ao governo federal a obrigatoriedade da medida. Ou seja, os atritos devem continuar.

TENSÃO. Barroso é o relator no Supremo da ação da Rede pela efetividade da estratégia recomendada pela Anvisa para a entrada de viajantes no Brasil. Vence nesta quarta-feira, 8, o prazo que o ministro deu para o governo justificar sua decisão de não adotá-la.

FOI DRIBLADA? Deputados e senadores avaliam em privado que o documento revelado pelo Estadão, desmentindo a versão da cúpula do Congresso de que não há registros sobre as indicações de parlamentares agraciados no esquema do orçamento secreto, deixou a ministra Rosa Weber em situação bastante delicada.

BINGO! A decisão da ministra do STF pela liberação das emendas deu ao relator do Orçamento, Hugo Leal, um cheque gordo: R$ 16 bilhões. Nada mau para um ano eleitoral.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales), Hugo Leal, deputado federal (PSD-RJ)

QUASE LÁ. O Ministério Público concluiu a análise da fusão PSL-DEM e encaminhou o processo para o relator no TSE, Edson Fachin, com sinal verde para o União Brasil. “Não há nas disposições do novo Estatuto nada que conflite com normas legais ou constitucionais”, diz o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet Branco.

AMIGÃO. A filiação do deputado Felipe Rigoni ao PSL (ponte para o União Brasil) em Brasília reuniu uma diversidade ideológica e partidária. Os presidentes Luciano Bivar (PSL), ACM Neto (DEM), Bruno Araújo (PSDB) dividiram o mesmo espaço com deputados como Tabata Amaral (PSB-SP), Nereu Crispim (PSL-RS) e o presidenciável e ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta (DEM).

CLICK. Felipe Rigoni, deputado federal

Foto: Reprodução/Instagram Felipe Rigoni

Parlamentar capixaba deu um “trato” no visual antes do evento em que assinou ficha de filiação no PSL, que em fusão com o DEM criou o União Brasil.

MUDANÇA. A versão da PEC da prisão em 2ª instância que deve ser discutida hoje da comissão especial do tema na Câmara incluirá a Justiça Eleitoral. Na prática, o texto agora propõe que se o TSE julgar uma sentença como procedente, a depender da matéria, o alvo da ação poderá ser enviado diretamente para a prisão, como o proposto para TRFs e TJs nos Estados. “O TSE também analisa crimes”, justifica o presidente da comissão, Aliel Machado (PSB-PR).

DE FORA. A pedido do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) apresentou um voto em separado à PEC da segunda instância para retirar a Justiça do Trabalho do texto. “Mostraram que tem tribunal com até 80% dos acórdãos reformados por descumprir jurisprudência”, disse o deputado.

BOLA DA VEZ. Alvo de crescentes críticas no entorno de Bolsonaro, o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, participa de audiência amanhã na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.

MARCHA. O presidente do Conselho Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, antecipou ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), as demandas que centenas de prefeitos vão levar a Brasília na próxima semana. Entre os temas, a aprovação a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que isenta de responsabilidade gestores públicos pela não aplicação de percentuais mínimos de gastos em educação em 2020 e 2021, devido à pandemia.

GASTOS. Ziulkoski também quer acelerar a PEC 122/2015 que proíbe a criação de novos encargos a municípios sem a indicação do recurso.

NOVA… Ciro Gomes (PDT) decidiu parar de fazer de conta que Sérgio Moro (Podemos) não é um problema para sua candidatura.

…ROTA. A partir de janeiro, Ciro cumprirá agendas em diferentes regiões do Sudeste. A estratégia dos pedetistas é propagar a imagem de Moro como um candidato sem proposta e insistir na ideia de um debate público entre ambos. De seu lado, Moro tem articulado visitas a redutos bolsonaristas no populoso interior paulista.

LEITURA. “Moro representa um revés quase irreversível para Bolsonaro. A disputa por uma vaga no segundo turno contra Lula hoje se encaminha para estar entre Ciro e Moro”, diz Carlos Lupi, presidente do PDT. Nesta terça, depois de passar pela capital, Ciro seguirá para Ribeirão Preto. Na quinta, estará em Campinas e então partirá para o Espírito Santo e depois Rio, no fim de semana.

PRONTO, FALEI! Bruna Brelaz, presidente da UNE

“MP do Prouni é preocupante porque abre porteiras para conglomerados educacionais sem nenhum tipo de fiscalização ou transparência e não garante contrapartidas.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.