Lula visitou oito países sem acordo de extradição desde 2012

Lula visitou oito países sem acordo de extradição desde 2012

Luiza Pollo

29 Janeiro 2018 | 05h30

FOTO: DIVULGAÇÃO

O ex-presidente Lula visitou oito países sem acordo de extradição com o Brasil desde 2012. O fato de cumprir agenda internacional para locais em que não há o tratado motivou a Justiça Federal a determinar o recolhimento do passaporte do petista para evitar o risco de fuga após ele ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão no caso do triplex do Guarujá. Levantamento feito pela Coluna no Portal da Transparência do governo, mostra que Lula viajou para Acra, Maputo, Lagos, Joanesburgo, Abuja, Cotonou, Doha, Havana e Santiago de Cuba. Ele esteve em Adis Abeba, na Etiópia, duas vezes, em 2012 e 2013.

Rota de fuga. Ao proibir Lula de deixar o Brasil, o juiz Ricardo Leite justificou que “merecem tratamento diferenciado” as “viagens internacionais e não oficiais” do ex-presidente, “especialmente a países que não possuem tratado de extradição com o Brasil”.

LEIA MAIS: Nome de Lula é incluído no cadastro de procurados e impedidos da PF

LEIA MAIS: Cúpula da PF começa a preparar prisão de Lula

Rastros. O Ministério Público, que solicitou a apreensão do passaporte de Lula, alertou que, mesmo condenado, ele pretendia viajar para a Etiópia e apontou risco de fuga “notadamente para países sem o acordo”. Após 2015, quando virou alvo da Lava Jato, Lula viajou para Cuba.

Com a palavra. A assessoria do ex-presidente diz que “todas as viagens dele ao exterior foram públicas e comunicadas à imprensa”. Na Etiópia, Lula falaria no painel “Parceria renovada para acabar com a fome na África até 2025” na 30ª Cúpula da União Africana – organizado pela FAO, agência de combate a fome da ONU. (Ao contrário do informado anteriormente, Lula não falaria sobre combate à corrupção no evento)

É dica? A Polícia Federal causou apreensão em Brasília ao desejar pelo Twitter: “Um ótimo domingo e que venha segunda-feira!”, dia da semana em que costuma disparar grandes operações. Normalmente, a PF deseja apenas bom domingo.

Preferido. O PR vai tentar emplacar o presidente da Infraero, Antonio Claret, no Ministério dos Transportes com a saída de Maurício Quintella para disputar a eleição de deputado. Claret é ligado a Valdemar Costa Neto, dono do PR.

Eu quero! O secretário executivo do ministério dos Transportes, Fernando Fortes, corre por fora. Já mudou até o visual para tentar a vaga de Quintella.

Ultimato. A presidente do Supremo, Cármen Lúcia, está brava com o TRF da Bahia, que não enviou até agora os dados para o cadastro de remuneração dos juízes. E deu prazo: se não chegarem esta semana, vai jogar o CNJ em cima.

Na carne. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, está sendo aconselhado por aliados a cortar pela metade o cotão a que os deputados têm direito para alimentação, transporte, segurança… O valor varia de R$ 30 mil a R$ 44 mil. Maia responde que concorda, mas que esse não é o momento.

CLICK. Defensor de Paulo Maluf e de políticos graúdos, o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atualiza semanalmente sua foto de perfil do WhatsApp.

 

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Interessado. Mesmo que quisesse, o PTB não vai retirar a indicação de Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho. O Planalto quer enfrentar a discussão no Supremo para não reviver o problema na reforma ministerial e, para isso, precisa que o partido mantenha o nome dela.

O caso. Filha do presidente do PTB, Roberto Jefferson, ela foi proibida de assumir a pasta por ter sido condenada em processo trabalhista.

SINAIS PARTICULARES: Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB; por Kleber Sales

Sombra…. Advogados que atuam no Cade estão criticando o fato de o presidente do órgão ter tirado longas férias enquanto estão sendo negociados julgamentos importantes.

… E água fresca. No cargo há sete meses, Alexandre Barreto tirou 30 dias de férias. Volta sexta, 2.

PRONTO, FALEI!

Foto: Robson Gonçalvez

“Infelizmente a magistratura existe para dar proteção, com jeitinho brasileiro, aos seus apaniguados”, DO DEPUTADO RUBENS BUENO (PPS-PR), relator da comissão dos supersalários, sobre o recebimento de auxílio-moradia.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU TÂNIA MONTEIRO 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão