Luiza Trajano ‘torce’ por nome que diminua a ‘polaridade’

Luiza Trajano ‘torce’ por nome que diminua a ‘polaridade’

Coluna do Estadão

21 de maio de 2021 | 05h00

Foto: Felipe Rau/Estadão

Sonho edulcorado dos partidos para ser candidata a presidente ou ocupar o posto de vice em uma chapa presidencial, Luiza Trajano disse estar “torcendo muito para que a gente tenha alguém que possa diminuir essa polaridade”. A empresária se referia, em live do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (Iree), ao atual espectro eleitoral, ocupado em uma das pontas por Jair Bolsonaro e na outra por Lula. A “torcida” dela na direção da terceira via é um balde de água fria no PT, que trabalha para ter a empresária ao lado de Lula.

Outra… Ao lado de Fernando Henrique Cardoso, do ex-ministro Raul Jungmann e do advogado Walfrido Warde, a dona do Magazine Luiza afirmou: “Não vou ser candidata a presidente. Eu nunca pertenci a partido, mas eu sempre luto pelo Brasil”.

…via. Sobre sua posição no espectro político, Trajano declarou: “É interessante que, quando eu sou a favor do Bolsa Família, e eu não saio do sertão, sou esquerda. Quando sou a favor da privatização, sou direita. É muito interessante que você começa a levar rótulo”.

Lulou? No mesmo evento, FHC reiterou: se sobrarem Lula e Bolsonaro, ele fica com o petista.

Entre nós. Omar Aziz (PSD-AM) tem dito a interlocutores que, por ora, não vê mesmo necessidade de ajuda da Polícia Federal nos trabalhos da comissão.

Freelancer. O presidente da CPI da Covid disse que pode pedir ajuda aos senadores egressos da corporação: Fabiano Contarato (Rede-ES) e Alessandro Vieira (Cidadania-ES).

Como é? Apesar de ter dito que nunca recusou ajuda do governo federal, a intervenção em Manaus não era bem vista pelo governador Wilson Lima. Segundo aliados dele, a proposta partiu da oposição no Amazonas e tinha caráter político.

Viva o SUS! Médico, Otto Alencar (PSD-BA) tem dito que atendeu Pazuello “pelo SUS” na CPI: de graça.

SINAIS PARTICULARES.
Otto Alencar, senador (PSD-BA)

Kleber Salles

Sem… No segundo dia do depoimento de Eduardo Pazuello, a chapa deu uma esquentada sob os pés do ex-ministro, mas, no geral, ele não comprometeu Bolsonaro, avaliam os governistas e até oposicionistas.

…explicação. Ficaram pontas soltas, claro. Pazuello afirmou que o artigo facilitador da compra da vacina da Pfizer foi excluído por falta de “consenso”, quando todos os ministros haviam aprovado a primeira versão do texto (minuta).

Diz aí. Depois, com a assinatura de Jair Bolsonaro, o trecho saiu. Faltou o ministro dar nome aos bois: quem discordou e por quê?

Aff. Já tem senador se queixando de que há colegas mais interessados em fazer cena do que perguntar.

Palanque. Silas Malafaia disse à Coluna que, se for à CPI, contará sobre todas as conversas que teve com o presidente sobre “Pfizer, Coronavac, cloroquina, lockdown, dinheiro enviado para governadores e prefeitos”. A probabilidade de o pastor ser mesmo chamado, porém, é baixa.

CLICK. Karim Miskulin, do Grupo Voto, e o ministro Tarcísio de Freitas, no seminário Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável da Indústria de Resíduos Sólidos.

Coluna do Estadão

Alô, ministro. Enquanto a Câmara aprovava a MP da Eletrobrás na quarta-feira, 19, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, estava no Espírito Santo, visitando indústrias da cadeia produtiva de rochas ornamentais.

PRONTO, FALEI!

José Luiz Penna. FOTO: DENISE ANDRADE/ESTADÃO

José Luiz Penna, presidente nacional do PV: “Operação da PF ocorreu justamente na semana que marca um ano do primeiro pedido de impeachment que o PV apresentou para afastar Ricardo Salles.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.