Governadores querem preservar Pazuello

Governadores querem preservar Pazuello

Coluna do Estadão

04 de novembro de 2020 | 05h00

Divulgação

Governadores que estiveram em Brasília para tratar com a cúpula do Congresso sobre as vacinas contra a covid-19 demonstraram receio de que a boa relação deles com Eduardo Pazuello possa atrapalhar o avanço das conversas em torno da obtenção dos imunizantes. Querem evitar o que chamaram de “efeito Mandetta”: quando o titular da Saúde se sobrepõe ao presidente em alguma negociação ou programa, Jair Bolsonaro costuma entrar em campo para mostrar “quem manda” e desfazer os combinados. Melhor, nesse caso, ficar quietinho.

Pontes. Por isso, as negociações estão sendo intermediadas por outros atores, como os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Help! Segundo relatos, Alcolumbre contou que, pela manhã, havia tentado convencer Jair Bolsonaro a comprar as vacinas.

Vixe. Entre governistas do Congresso, porém, ainda há expectativa de uma espécie de “imunidade de rebanho”. Cientistas respeitados, no entanto, alertam para o perigo dessa alternativa: pode custar vidas.

Vacina, não? Surge uma ala governista, com cada vez mais adeptos, alegando que as vacinas serão caras e que cada centavo deve ser investido na retomada econômica: não haverá dinheiro para um outro pacote de auxílio emergencial.

Para lembrar. Luiz Henrique Mandetta deixou a Saúde, entre outros motivos, porque despertou ciúmes no presidente Bolsonaro.

CLICK. O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, se reuniu com membros da OEA em Washington. Depois, visitou colégios eleitorais. Ficou bem impressionado: todos respeitavam os protocolos de saúde.

Coluna do Estadão

Começa com Russo… Sondagens diárias do PSDB captaram viés de alta de Márcio França (PSB) na disputa pela Prefeitura. Elas também indicam uma estagnação de Guilherme Boulos (PSOL) e um processo lento, porém constante, de desgaste de Celso Russomanno (Republicanos).

…termina com manno? Diante desses dados, Bruno Covas terá de decidir se continua assistindo olimpicamente a disputa ou se aciona o botão de ataque e centra fogo em algum adversário para, indiretamente, favorecer outro teoricamente mais fácil de ser batido no segundo turno (alguém arrisca um nome?).

SINAIS PARTICULARES
Bruno Covas, prefeito de São Paulo e candidato à reeleição pelo PSDB

Ilustração: Kleber Sales

LEIA TAMBÉM: Caso Mariana Ferrer: conselheiros do CNMP pedem apuração de conduta do promotor

Proteção. A Polícia Civil paulista fará licitação em 2021 para a compra de 105 veículos (SUV) com blindagem. Investimento previsto de R$ 23,3 milhões. As viaturas blindadas já compradas pela PM estão em fase de testes e 70 delas irão para o patrulhamento ostensivo.

Mudança. O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentou um projeto de lei para que os casos de estelionato cometidos em transações bancárias por meio eletrônico, em especial via e-commerce, sejam apurados pela polícia e tenham seu processo judicial no local onde mora a vítima.

Mudança 2. Atualmente, a denúncia é apurada tanto nos locais onde o fraudador atuou quanto onde estão registradas as contas de “laranjas” usadas neste tipo de crime.

PRONTO, FALEI!

Simone Tebet

Foto: Dida Sampaio/ Estadão

Simone Tebet, senadora (MDB-MS): “Humilhação. Advogado e juiz rasgaram lei e desonraram Justiça. Cuspida na cara das brasileiras, que exigem respostas”, sobre audiência de Mariana Ferrer.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.