Dirigentes do MDB e do PSD não rejeitam semipresidencialismo

Dirigentes do MDB e do PSD não rejeitam semipresidencialismo

Coluna do Estadão

15 de julho de 2021 | 05h00

Estadão

Apontado por Luís Roberto Barroso como um antídoto às recorrentes crises do sistema político brasileiro, o semipresidencialismo ainda não conquistou totalmente os corações e mentes de dirigentes partidários. Porém, não existe rejeição prévia ao modelo em importantes siglas do centro: “Pessoalmente, sou simpático à ideia”, diz o presidente nacional do MDB, Baleia Rossi. “Essa proposta eu acredito que possa ser implantada quando já tivermos um número de partidos bastante reduzido”, afirma Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD.

Modelo. O semipresidencialismo vigora na França e em Portugal, por exemplo. É visto como uma maneira de reduzir o fisiologismo. Em linhas gerais, há um presidente da República e um primeiro-ministro no Parlamento, ambos dividindo funções do Executivo.

Nada… “Até o momento não há discussão sobre o sistema semipresidencialista encaminhada dentro MDB ou da Fundação Ulysses Guimarães”, diz Baleia.

…contra. “Li entrevistas do ex-presidente Michel Temer defendendo a tese. Como grande constitucionalista e com sua larga experiência, tem muito a contribuir”, diz Baleia. Segundo ele, nada impede que o tema seja aprofundado.

Enxuga. Kassab, como pré-requisito, defende uma reforma que reduza o número de partidos: “Parlamentarismo, presidencialismo de coalizão, com mais de dez partidos representando, é muito difícil. Isso dificulta a governabilidade”.

Contraponto. Na esquerda, a visão e outra. Gleisi Hoffmann (PT) é refratária à mudança e lembra que a população escolheu o presidencialismo como sistema em plebiscito em 1993. “É tornar o presidente sem poder”, diz.

Contraponto 2. Carlos Lupi (PDT) também é contra. Para ele, a mudança do sistema de governo entrou no debate público pelo fato do presidente Jair Bolsonaro ser visto como um “presidente fraco”. “Não podemos enfraquecer o papel da presidência por conta de um presidente fraco.”

Fogos. A filiação de 65 prefeitos e vices em São Paulo ao PSDB foi muito comemorada no Palácio dos Bandeirantes.

Fogos 2. A demonstração de força dos pré-candidatos João Doria (presidente) e Rodrigo Garcia (governador) foi festejada em dobro porque o avanço se deu em cima de dois partidos de oposição: PSB e PTB.

Foi na veia. Como bem definiu o cientista político Vinícius do Valle no Estadão, “não preocupa a filiação religiosa” de André Mendonça, o indicado ao STF, “mas, sim, sua atuação, religiosa e política, ‘terrivelmente bolsonarista’”.

SINAIS PARTICULARES,

André Mendonça, ministro da AGU indicado ao STF

Kleber Sales

Uia! Foi por pouco que não houve uma segunda prisão na CPI da Covid, a da diretora executiva da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, anteontem, 13. Ala de senadores defendeu a medida, alegando desobediência dela à decisão do Supremo Tribunal Federal.

Calma. Entraram no circuito Simone Tebet (MDB-MS) e Eliziane Gama (Cidadania-MA) para convencer que não pegaria bem prender a depoente. Primeiro, pela situação da jovem, claramente fragilizada no primeiro dia; segundo, porque ela é um “peixe pequeno”.

CLICK. Simone Tebet (MDB-MS) bateu boca com Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ): ameaçou levá-lo ao Conselho de Ética, por algo que ele teria dito fora do microfone.

Coluna do Estadão

A ver. O foco, defendem, deve ser o chefe dela, Francisco Maximiano, sócio da Precisa, cujo depoimento está marcado para depois do recesso parlamentar. Ele será confrontado ponto a ponto com o que disse Medrades à comissão.

PRONTO, FALEI!

Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do gruCpo de advogados Prerrogativas: “Ao agredir o PT e o Lula, fazendo o jogo da direita autoritária e atrasada, Ciro mostra que não precisa de João Santana. Precisa mesmo é de um psiquiatra. Toda solidariedade aos colegas do PDT, que devem estar tão constrangidos quanto os demais colegas do campo progressista com tamanha falta de caráter…”

COM MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM BRUNO LUIZ E LUIZ HENRIQUE GOMES.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.