Defesa investiu mais do que Educação em 2019

Defesa investiu mais do que Educação em 2019

Coluna do Estadão

18 de agosto de 2020 | 05h00

Com assessores e ministros, Bolsonaro (ao fundo) assiste a desfile na Brigada Paraquedista, no Rio Foto: Marcos Correa/PR

A Defesa liderou o ranking de investimentos do governo federal em 2019: R$ 8,3 bilhões. Os dados são do Contas Abertas. Segundo a ONG, foi a primeira vez, desde 2003, que o ministério ficou em primeiro lugar nessa lista. Foram R$ 852 milhões a mais do que o investido na Saúde e na Educação no mesmo período. A Defesa já investiu R$ 2,9 bilhões no primeiro semestre deste ano. Ou seja, nem só de “custeio da máquina” vive a área militar do governo. A primazia orçamentária da Defesa para 2021, conforme mostrou o Estadão, precisa ser explicada.

Top… Mesmo em meio à pandemia, a Saúde está em quarto lugar no ranking de investimentos (valores efetivamente pagos) no primeiro semestre deste ano, com R$ 2,5 bilhões investidos.

…five. A lista é puxada pela Infraestrutura (R$ 3,8 bi) e pelo Desenvolvimento Regional (R$ 3,6 bi). Em seguida, aparece a Defesa e, em quinto lugar, está a Educação (R$ 1,8 bi).

Batalha. “Indiscutivelmente, o grande inimigo do Brasil é a precariedade da saúde e da educação. Combater isso tem de ser a nossa maior guerra”, disse à Coluna o economista Gil Castello Branco, secretário-geral do Contas Abertas.

Pole. Como mostrou o Estadão, a proposta orçamentária que está nas mãos da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, prevê um orçamento superior em R$ 5,8 bilhões para os militares do que o destinado ao MEC para 2021.

Selva. A previsão é de que haverá cerca de R$ 9,45 bilhões para contratações de serviços e investimentos em obras e programas estratégicos em 2021.

CLICK.  O ator Lúcio Mauro Filho mostra sua biblioteca pela campanha nas redes contra a intenção do governo de taxar livros. “Viva a literatura, viva o saber.”

Reprodução/Instagram

LEIA TAMBÉM: Mourão diz a senadora que Pantanal pode ser incluído no Conselho da Amazônia

Breve… Desde que foi criado em 2004, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) só aplicou a punição de remoção a cinco promotores. Parte deles foi trocada de comarca, outra, impedida de atuar em casos da mesma atribuição.

…histórico. Além disso, foram arquivados outros cinco procedimentos de remoção. Deltan Dallagnol enfrentaria caso semelhante hoje no conselho, mas Celso de Mello suspendeu os processos.

Timing? A decisão do ministro do STF pegou conselheiros de surpresa: esperavam que não analisasse a tempo da sessão do CNMP

Fundo. O projeto de lei 529 do governo de São Paulo propõe que as sobras em caixa de USP, Unicamp, Unesp e da Fapesp sejam realocadas para um fundo geral e possam ser utilizadas para pagar salários dos professores, pesquisadores e aposentados, inclusive das próprias instituições.

Fundo 2. É de R$ 1,5 bilhão o total parado, segundo o governo paulista, valor equivalente a três vezes o orçamento da Fundação Casa, que cuida de menores.

BOMBOU NAS REDES!

Foto: Silvana Garzaro

Roberto Livianu, procurador de Justiça de São Paulo: “Para sermos uma nação evoluída e próspera, nossa prioridade absoluta precisa ser o investimento em educação. Com qualidade. Quando nos deparamos com a triste realidade em que a Defesa recebe mais verbas que a Educação, percebemos que há muito a mudar.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: