Com medo do TSE, partidos temem filiar clã Bolsonaro

Com medo do TSE, partidos temem filiar clã Bolsonaro

Alberto Bombig e Matheus Lara

06 de agosto de 2021 | 05h00

A insegurança jurídica/eleitoral e as muitas frentes de disputa estimuladas por Jair Bolsonaro estão afastando partidos dispostos a negociar a filiação do presidente. Em privado, dirigentes de algumas dessas legendas relatam medo de sofrerem sanções do TSE se abrirem as portas para o clã Bolsonaro e eles continuarem com seus ataques ao tribunal e também ao Supremo.

Após a filiação do presidente ao Patriota ter ficado mais distante, o entorno de Bolsonaro força a porta no PP. Porém, até Ciro Nogueira sabe que o clã é nitroglicerina pura.

Peraí. Como não se sabe como a crise vai terminar, quase ninguém se arrisca em abraçar de corpo e alma a “causa” bolsonarista e seus ataques ao Judiciário.

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Sabedoria. À Coluna, um aliado de Bolsonaro no Congresso lembrou um velho ditado gaúcho: “Com quem veste saia, mulher, padre ou juiz, não se brinca”.

Cabelo em pé. A reação de Luiz Fux, simultânea à dos empresários e da sociedade civil, deixou a parte da classe política que tem algum juízo assustada.

Risca… A linha amarela, diz um interlocutor da cúpula do PP, foi riscada no chão por Ciro Nogueira (PI) e Arthur Lira (AL): ambos estão com Bolsonaro na toada do voto auditável. Desse ponto em diante, a ideia é deixar o presidente por sua conta e risco.

…no chão. O Centrão topa uma mudança das regras via Congresso, como vem sendo articulada. Líderes do bloco acham que é do jogo constitucional e, sim, estão dispostos a tesourar poderes dos magistrados após a era da Lava Jato.

Vá na frente. Se forem derrotados, no entanto, dizem que a discussão estará encerrada. Soco em mesa, ameaças de rasgar a Constituição e intimidações diretas ou cifradas a ministros do STF não têm o apoio, ao menos por ora, da maioria dos líderes do Centrão.

CLICK. O governo federal, que praticamente não faz propaganda para divulgar a vacinação contra a covid-19 no País, botou na rua e na TV campanha para privatizar os Correios.

Come and… A trilha sonora no Palácio do Planalto mudou. Não é mais “se gritar pega Centrão…” Agora, em tom de galhofa, assessores do presidente e de ministros resolveram parodiar o clássico “We Are The Champions”, do Queen.

…sing with me. “We are the Centrão, my friends / and we’ll keep on fighting till the end / we are the Centrão / we are the Centrão / no time for losers / ‘cause we are the Centrão / of the world”.

SINAIS PARTICULARES

Jair Bolsonaro, presidente da República

Ilustração: Kleber Sales/Estadão

Sinal. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública está em alerta em relação aos efeitos entre policiais da escalada bolsonarista que pregou “voto impresso”. Há o temor de que corporações sejam “contaminadas”.

Pressão. No mais recente ato da Avenida Paulista, bolsonaristas tentaram reforçar a ideia de que as forças policiais estavam do lado deles na cruzada contra a urna eletrônica.

Topam? Grupos políticos que se opõem ao presidente serão convidados a debater e propor ações práticas relacionadas a temas que “patinaram” no governo Bolsonaro até aqui.

Agenda na mesa. Os temas são as mudanças em leis orgânicas, a regulamentação do fim da prisão administrativa e o desenvolvimento do Sistema Único de Segurança Pública.

Zero. A ideia: intensificar o lobby com líderes e mostrar que o discurso de Bolsonaro para a área é vazio.

PRONTO, FALEI!

Randolfe Rodrigues, senador (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid

“Bolsonaro divulgou um inquérito sigiloso nas redes sociais. Pergunto ao senhor Anderson Torres, ministro da Justiça, a que horas será anunciada a abertura de inquérito contra o presidente?”

Foto: Leopoldo Silva/Ag. Senado

Tudo o que sabemos sobre:

TSEJair BolsonaroPPpatriotademocracia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.