Bolsonaro acelera sem o contrapeso jurídico

Bolsonaro acelera sem o contrapeso jurídico

Coluna do Estadão

31 de julho de 2019 | 05h00

Jair Bolsonaro Foto: Igor Estrela/Estadão

Cresce no meio jurídico o entendimento de que Jair Bolsonaro está ultrapassando vários limites do cargo e do bom senso porque os freios e contrapesos não funcionam bem. Explica um importante procurador: só quem tem confrontado o Executivo hoje é o Legislativo, principalmente na figura de Rodrigo Maia, o presidente da Câmara; Dias Toffoli, o presidente do STF, tem se mostrado sensível aos interesses do Planalto, assim como alguns de seus pares. No MP, Raquel Dodge adota uma “amigável cautela” sonhando em permanecer como PGR.

Sozinho. Até agora, o único ministro do STF a pegar bem pesado com Jair Bolsonaro foi Marco Aurélio Mello. A Corte, porém, será provocada pela OAB no caso das afirmações do presidente sobre a morte de Fernando Santa Cruz.

Tudo igual. O elogio de Donald Trump a Eduardo Bolsonaro (“jovem brilhante”) foi visto como um “agrément informal”, mas sem provocar surpresas no Itamaraty e no Senado.

Sem… No Senado, o vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores, Marcos do Val (Cidadania-ES), mantém posição contrária à indicação de Eduardo Bolsonaro ao cargo nos EUA.

…consenso. “É como uma criança que acabou de aprender a andar de bicicleta e, porque recebeu um elogio, já acha que está pronta para competir numa moto”, diz o senador.

Não… Famoso por suas ações contra o uso de recursos públicos nas campanhas e no custeio da política, o partido Novo segue firme em sua cruzada contra o aumento proposto para o Fundo Eleitoral.

…passará!. “Toda vez que você vir notícias sobre o fundo eleitoral de R$ 3,7 bilhões lembre-se dos cem milhões de brasileiros que não têm o acesso adequado à rede de esgoto”, afirma o deputado federal Vinicius Poit (Novo-SP).

SINAIS PARTICULARES.

Vinicius Poit, deputado federal (Novo-SP)

Ufa! O ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, recebeu um pequeno alento de Onyx Lorenzoni (Casa Civil): o CNPq terá recursos para honrar as bolsas em andamento até o fim do ano. Hoje, a Pasta só tem dinheiro para custeio das bolsas até setembro.

Epa! A declaração de João Doria delimitando uma distância regulamentar de Jair Bolsonaro agitou os bastidores de PSDB e PSL.

Fatura. Entre os tucanos, as alas desde sempre contrárias ao flerte de Doria com a direita bolsonarista acha que a conta pelo apoio a Bolsonaro chegou, e muito antes do que ele esperava.

Aqui. No PSL, Carla Zambelli resume: “Doria tem seu valor, mas, quando queremos apequenar grandes realizações de alguém que conquistou o Brasil, como Bolsonaro e, pior, problematizar simples declarações, o valor se perde e nos remete a repensar suas reais intenções nas eleições de 2018”.

Pimenta. Para arrematar, um tucano maldoso resume o que acha ser uma enrascada: será mais difícil Doria se livrar de Jair Bolsonaro ou de Aécio Neves?

Do bem. O Ministério da Saúde lança hoje campanha de incentivo à amamentação. O slogan será: “Incentive a família, alimente a vida”. A Pasta de Luiz Henrique Mandetta vai anunciar novos centros de saúde e a certificação de novas salas de apoio à amamentação.

CLICK. Mandetta esteve com a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) para tratar de projeto dela que dá liberdade à gestante de optar por cesárea no SUS, mesmo quando não houver necessidade médica.

Divulgação Janaina Paschoal

 

PRONTO, FALEI!

Eliziane Gama

Líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Eliziane Gama, líder do Cidadania no Senado (MA): “Vejo muitos que se autointitulam cristãos, mas defendem a tortura e a execução. Penso qual Jesus seguem”, sobre declarações recentes de Jair Bolsonaro.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: