Brendam Smialowski/AFP
Brendam Smialowski/AFP

Trump elogia indicação de Eduardo para embaixada e diz que não é nepotismo

‘Conheço ele e provavelmente é por isso que o indicaram,’ afirma presidente americano; Bolsonaro fala que tem ‘certeza’ que Senado vai aprovar nome do filho para ocupar posto em Washington

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2019 | 17h59
Atualizado 31 de julho de 2019 | 11h31

BRASÍLIA –  O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira, 30,  que considera o filho do presidente Jair Bolsonaro, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), “um jovem brilhante” e que está “muito feliz pela indicação” do parlamentar para assumir a embaixada do Brasil em Washington.

“Eu conheço o filho dele e, provavelmente, é por isso que o fizeram (a indicação). Estou muito feliz com essa indicação”, disse o presidente dos Estados Unidos após ser questionado por uma jornalista da GloboNews.

Indagado sobre se a nomeação do filho do presidente do Brasil configuraria nepotismo, Trump negou. “Não, não acho que é nepotismo, porque o filho ajudou muito na campanha. O filho dele é extraordinário”, disse o presidente americano.

Após a declaração de Trump, Bolsonaro fez um agradecimento ao presidente dos Estados Unidos. “Isso demonstra a confiança que ele tem no governo e também a confiança que tem no meu filho, que é amigo dos familiares dele”, afirmou.

Como mostrou o Estado, o pedido de “agrément” para consultar os EUA sobre a indicação de Eduardo chegou ma semana passada a Washington, segundo fontes com acesso ao documento. O Itamaraty mantém esse tipo de pedido sob sigilo.

O “agrément” é um pedido diplomático e também uma maneira de consultar o país onde o futuro embaixador vai servir sobre eventuais restrições ao seu nome. Na prática, são analisados requisitos objetivos como a nacionalidade do indicado.

A praxe diplomática prevê ainda que o anúncio do nome indicado aconteça só depois do sinal verde do país ao pedido de “agrément”, para evitar constrangimentos em caso de recusa do indicado.

Eduardo, no entanto, ainda precisa passar por uma sabatina na Comissão de Relações Exteriores do Senado e ter seu nome aprovado em votação secreta no colegiado e no plenário da Casa. Só então é que poderá ser oficialmente designado para assumir a representação diplomática. 

Bolsonaro diz que tem ‘certeza’  que Senado vai aprovar nome do filho

Bolsonaro disse acreditar na aprovação do nome de Eduardo no Senado. “Temos certeza de que, caso o Senado aprove essa ida para lá, os nossos laços comerciais serão fortalecidos”, afirmou. “O Senado vai decidir. Tenho certeza de que o Senado vai aprovar”, declarou o presidente.

indicação de Eduardo como embaixador do Brasil nos Estados Unidos pode quebrar uma tradição dentro do Itamaraty, desde a redemocratização, de ter na embaixada em Washington sempre um diplomata de carreira. Em entrevistas ao Estado, dois ex-ocupantes do cargo criticaram a nomeação. O ex-ministro da Fazenda Rubens Ricupero disse que não havia “precedentes em países civilizados”, enquanto o também ex-ministro Marcílio Marques Moreira disse esperar que a nomeação “fosse repensada”. / JULIA LINDNER e EDUARDO RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.