Aliança com MBL vira trunfo do Podemos em negociações da pré-campanha de Moro

Aliança com MBL vira trunfo do Podemos em negociações da pré-campanha de Moro

Camila Turtelli e Matheus Lara

20 de janeiro de 2022 | 05h00

O presidenciável Sérgio Moro durante congresso do MBL em outubro de 2021, em São Paulo. Foto: Helcio Nagamine/Estadão.

A recém-firmada aliança do Podemos com o MBL, após negociação adiantada em dezembro pela Coluna, tem deixado integrantes do time de Sérgio Moro otimistas de que lacunas significativas da pré-campanha comecem pouco a pouco a ser preenchidas. Aliados do ex-juiz apostam na parceria como trunfo para melhorar a mobilização online em torno do pré-candidato, até agora avaliada como aquém do esperado. A expectativa de que o “exército” do MBL fortaleça o engajamento e ajude Moro a se consolidar na briga por vaga no segundo turno tem sido até usada como argumento nas negociações para possível aliança com o União Brasil, onde cresce o sonho de atrair Moro para seu lado do balcão.

FICO. Aliados de primeira hora de Moro descartam “pular do barco” do Podemos neste momento de chegadas importantes. “Será o último partido de minha passagem na política. Não há possibilidade de eu mudar de partido”, disse o senador Alvaro Dias (PR).

DÁ UM LIKE. O desafio de turbinar o apoio de Moro nas redes será grande: segundo a .MAP, que monitora diariamente quase 1,5 milhão de postagens no Facebook e no Twitter, Moro teve neste mês, até terça, 18, 23,7% de publicações positivas a seu respeito, número abaixo do de seus concorrentes Lula (PT), 63,5%, e Jair Bolsonaro (PL), 36,3%.

PRESSA. Com um pé já no Podemos, Kim Kataguiri decidiu não esperar a janela partidária e entregou uma carta para o presidente do DEM, ACM Neto, para deixar o partido de forma amigável nesta semana.

LÁ EM CIMA. O Procon de São Paulo identificou testes de covid-19 sendo comercializados por até R$ 450 em farmácias de capital e no interior. Os estabelecimentos terão de explicar o motivo da alta do preço para não responder por prática abusiva. Mais de 265 empresas foram fiscalizadas na operação “Teste Covid-19 Sem Abusos”.

DE OLHO. A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) passou a monitorar os preços dos testes em diversos Estados brasileiros depois das denúncias feitas em São Paulo.

CLICK. Joice Hasselmann, deputada federal (PSL-SP)

Parlamentar compartilhou parte de seu treino de defesa pessoal e passou o recado a seguidoras: “Todas nós precisamos de autodefesa para a vida”.

DIZ AÍ. O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos convidou cerca de 23 mil servidores para dar sugestões e falar sobre dificuldades da atuação no Sistema de Atendimento Socioeducativo (Sinase), que atende jovens presos. O objetivo é rever diretrizes e embasar mudanças no sistema que completou 10 anos.

NEM VEM. Apesar do empenho de aliados em juntar João Doria (PSDB) e Simone Tebet (MDB), os dois pré-candidatos não parecem no momento dispostos a essa união. A emedebista tem dito que não tem “plano B” na sua agenda.

MELHOR EVITAR. Tebet tem evitado insistir na tecla da questão de gênero e do machismo em debates sobre composição de chapa: a velha história da mulher na posição de vice, e não na cabeça de chapa.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). João Doria, pré-candidato do PSDB; e Simone Tebet, pré-candidata do MDB.

PRONTO, FALEI! Gleisi Hoffmann, deputada federal (PT-PR)

“Queiroga engana o povo e diz que 4 mil morreram por causa da vacina. Confrontado, apaga o post. O que uma pessoa não é capaz de fazer pra se manter no cargo.”

ALBERTO BOMBIG ESTA DE FÉRIAS E RETORNA À ‘COLUNA DO ESTADÃO’ NO DIA 16 DE FEVEREIRO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.