Ação do PL contra Lollapalooza faz ‘Fora Bolsonaro’ retomar fôlego e preocupar aliados

Ação do PL contra Lollapalooza faz ‘Fora Bolsonaro’ retomar fôlego e preocupar aliados

Camila Turtelli e Matheus Lara

30 de março de 2022 | 05h00

O presidente Jair Bolsonaro (PL). Foto: Sérgio Lima/AFP

Integrantes do PL têm tentado botar panos quentes no “climão” interno por causa do tiro no pé que foi a ação contra o festival Lollapalooza no TSE – derrubada ontem após recuo do próprio PL. Enquanto aliados de Jair Bolsonaro esquentam os motores para a pré-campanha da reeleição e já lidam com a forte rejeição, opositores da esquerda à direita usaram a tentativa de impedir manifestações políticas no festival para recuperar o fôlego do “Fora Bolsonaro”, ao menos nas redes. Com o receio de que o clima após a ação possa contagiar movimentos anti-Bolsonaro para além do festival, bolsonaristas deixaram clara a insatisfação a Valdemar Costa Neto e avisaram que querem ter poder de decisão na sigla.

EFEITO. Espaço prioritário de mobilização bolsonarista em 2018, as redes foram tomadas por críticas ao PL, Bolsonaro e, por conta da ação, ao TSE. Segundo levantamento da consultoria Quaest, 91% das menções à decisão foram críticas no Facebook, Twitter e Instagram.

VAI VENDO. Acusações de censura, ironias e xingamentos contra o presidente puxaram a onda de publicações críticas à situação. O uso do CNPJ errado do festival, na ação do PL, também impulsionou o comportamento.

LINE-UP. Artistas engrossaram o caldo: a cantora Anitta, contrária à decisão, foi a mais mencionada (11,4 mil vezes), seguida pela banda Fresno (10,1 mil), que abriu o último dia do festival, após a ação, com críticas ao presidente, e por Pabllo Vittar (8,7 mil), que exibiu toalha com foto de Lula (PT) em sua apresentação.

CLICK. Fernando Haddad (PT), ex-prefeito de São Paulo

Petista se reuniu em São Paulo com dirigentes da Rede, que ainda aguarda a confirmação sobre a federação com o PSOL para definir quem apoiar no Estado.

IDEIAS. As deputadas Luísa Canziani (PSD-PR) e Margarete Coelho (PP-PI) estiveram nesta terça (29) com o presidente do TSE, ministro Edson Fachin para falar de parcerias entre a Corte e a Câmara em estratégias para impulsionar o voto dos jovens até 18 anos nas eleições de outubro.

EQUILIBRISTA. Indicado para a Petrobras, Adriano Pires ficará na corda bamba com políticos e o presidente Bolsonaro de um lado e com industriais do petróleo e o mercado de outro.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Adriano Pires, indicado para presidir a Petrobras

PRONTO, FALEI! Elena Landau, economista

“Torcendo para que Adriano Pires consiga sobreviver ao jeito Bolsonaro de tratar estatais. Eu não entraria neste governo por nada. Por isso mesmo, desejo boa sorte.”

NA ESTRADA. O presidenciável Felipe d’Avila (Novo), começa a visitar os Estados do nordeste nos próximos dias. Depois de, na semana passada, ter percorrido Santa Catarina, ele estará em Salvador (BA) e Recife (PE) no início de abril.

MUDOU. A senadora Daniella Ribeiro (PB) acertou a filiação ao PSD a convite de Gilberto Kassab e foi convidada para assumir a direção estadual da sigla em seu Estado. A filiação da senadora e outras lideranças políticas acontecerá na sexta-feira, 1.

PAPO. Organizações da sociedade civil – entre elas, a Oxfam Brasil – se reúnem na manhã desta quarta com a Frente Parlamentar de Direitos Humanos e opositores do governo no Congresso para tratar de pautas prioritárias de direitos da sociedade civil.

PAPO 2. A Oxfam Brasil apresentará suas pautas prioritárias, que vão desde renda básica, combate à fome, reforma tributária, licenciamento ambiental, grilagem, até as licenças de laboratórios para vacinas e medicamentos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.