A morte de Covas e o ‘fratricídio’ tucano

A morte de Covas e o ‘fratricídio’ tucano

Coluna do Estadão

17 de maio de 2021 | 05h00

Bruno Covas. FOTO: ANDRE PENNER/AP

A morte de Bruno Covas abate o PSDB paulista em momento de instabilidade interna, cingido em correntes e vivendo o ocaso de líderes históricos. No curto prazo, a ausência de jovem neto de Mario Covas deve agravar esse eterno “fratricídio” tucano, que tem como horizonte próximo a disputa pelo governo do Estado em 2022. No longo, representa uma opção eleitoral a menos: Bruno encarnava a renovação do PSDB, após décadas de alternância no poder dos grupos de José Serra e Geraldo Alckmin, e era contraponto natural à força de João Doria.

Mais… Quem entende do partido em São Paulo arrisca: sem Bruno Covas, haverá uma nova divisão com a parcela que apoia o ex-governador Alckmin, caso ele permaneça no PSDB.

…luta. Apesar da boa relação que Bruno Covas mantinha com João Doria, nos bastidores, os grupos reunidos em torno de ambos não se entendiam tão bem e disputavam espaços de poder no partido e nas máquinas da Prefeitura e do governo.

Divisão. O grupo de Bruno Covas comanda o diretório do PSDB na capital paulista. O estadual está com João Doria. Por fora, com apoios pontuais nos dois, corre Geraldo Alckmin.

CLICK. Apesar de torcer para o Santos, Bruno Covas ficou na história do São Paulo com a inauguração da estação que tem o nome do clube, na zona sul da capital.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Casca… O Parlamento, na sua mania de recorrer ao Judiciário e ao Ministério Público, acaba colocando cascas de banana em seu próprio caminho. A mais recente armadilha foi plantada pela CPI da Covid.

…de banana. A comissão encaminhou ao MP o depoimento de Fabio Wajngarten, que teve a prisão pedida por senadores. Até então, CPIs decidiam quem mentia e quem não mentia. Como ficará a vida do relator se um procurador concluir que o ex-chefe da Secom não mentiu à comissão?

Tsunami. Segundo senadores da CPI, cada ministro da Saúde foi derrubado por uma onda da covid-19. Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich caíram na primeira. Eduardo Pazuello não aguentou o baque da segunda. Marcelo Queiroga, contrário ao lockdown, agora está correndo da terceira…

SINAIS PARTICULARES
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Calma… A subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, puxou o freio da PF contra o governo do Pará na investigação por suspeitas na compra de respiradores ao negar o pedido de indiciamento do governador Helder Barbalho (MDB), como pedia a PF.

…aí. A subprocuradora entendeu que o governador do Pará não poderia ser indiciado antes de ter sido ouvido pela PGR.

Na… Em webinar da Federação Nacional de Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e de Informática, o senador Irajá Silvestre Filho (PSD-TO), autor do projeto que trata da repactuação de débitos não tributários, disse que seu texto deverá entrar em breve na pauta do Senado.

…agenda. No mesmo encontro, o deputado Luís Cláudio Miranda (DEM-DF) disse que deverá propor às duas Casas a votação de medida específica para o parcelamento de dívidas relativas a sentenças proferidas pela Justiça do Trabalho, assim como o PL do novo Refis de impostos.

PRONTO, FALEI!

Rodrigo Agostinho. FOTO: REILA MARIA/CÂMARA DOS DEPUTADOS

Rodrigo Agostinho, deputado federal (PSB-SP): “Conseguiram piorar o que já era péssimo. Grave ameaça aos direitos sociais e ambientais”, sobre as novas regras do licenciamento ambiental.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.