Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

William Waack estreia coluna no ‘Estado’

Jornalista vai escrever às quintas-feiras sobre a atual situação do País e temas como eleições, renovação política, polarização e populismo

O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 05h00

O jornalista William Waack, de 65 anos, estreia como colunista do Estado nesta quinta-feira, 22. Sua coluna será publicada semanalmente e vai abordar a situação do País diante daquilo que ele chama de “uma encruzilhada gravíssima”, que é “a falência de um contrato social de gerações”.

++ Site 'BR18' estreia com foco na eleição presidencial de outubro

“Nós, brasileiros, tentamos construir um Estado de bem-estar social mas não nos preocupamos em como financiá-lo. Então, quebramos e chegamos a essa encruzilhada. Ela é muito mais perigosa e profunda do que simplesmente uma crise política causada pela bandidagem desse ou daquele agente público”, afirma o jornalista.

Waack também considera importante participar do debate público em ano eleitoral. “Nós vamos decidir os destinos do País por mais uma geração.” Sobre a polarização política, ele diz: “A divisão política na sociedade não me surpreende. Ela é típica de situações de crise que cobri em vários continentes. Nosso problema é a falta de liderança. Que as pessoas se dividam é parte da situação. É até sadio. O que as aflige é que elas não sabem para onde olhar. A falta de liderança causa desorientação. A sociedade espera respostas de um sistema político em que não confia. Isso é a nossa encruzilhada também.”

A relação de Waack com o Estado vem de longe. Enteado do jornalista e ex-diretor do jornal Oliveiros S. Ferreira, que morreu em outubro de 2017, ele se lembra de, aos 11 anos, já observar o padrasto com o Estado nas mãos. Bem mais tarde, em 1975, se tornaria correspondente freelancer do jornal na Alemanha, até 1978. “Tive muita sorte. O grande assunto internacional era relativo ao Brasil. Na época, o País tinha assinado com a Alemanha um acordo nuclear, que tinha o mesmo destaque que o acordo nuclear do Irã tem hoje. Era um assunto que demandava atenção diária”, afirma.

++ Eliane Cantanhêde - De volta ao faz de conta?

No jornal, Waack participou de coberturas marcantes como a queda do muro de Berlim e ganhou dois prêmios Esso. Em 1991, venceu o prêmio com a cobertura sobre a Guerra do Golfo, ao lado do jornalista Hélio Campos Mello. Em 1993, ganhou o mesmo prêmio pelas revelações sobre os arquivos secretos de Moscou. As duas reportagens, que se tornariam livros, são trabalhos diferentes entre si. A cobertura da Guerra do Golfo foi um trabalho eminentemente de campo. Já os arquivos secretos de Moscou envolveram uma pesquisa concentrada em documentos.

Durante a Guerra do Golfo, Waack e Campos Mello foram sequestrados no Iraque dias depois de Saddam Hussein ser obrigado a se retirar do Kuwait. Eles foram presos pelas forças de segurança do ditador e passaram oito dias detidos. Foram libertados em 9 de março de 1991. Waack também chegou a ser sequestrado no Irã e preso no Líbano. “Passei por uma série de situações pelas quais tive mais sorte do que juízo”, diz. 

++ Vera Magalhães - Aécio fora da eleição?

CENÁRIO

Sobre o momento político do País, Waack ressalta a importância do jornal e dos jornalistas. “O Estadão é uma demonstração clara de que apegos a princípios bem definidos e universais, como estado de direito e democracia liberal, são a grande resposta para momentos de crise como esse que a gente está vivendo”, afirma. “O Estadão e a equipe de jornalistas têm papel essencial como ponto de referência para as pessoas. A melhor maneira de enfrentar a gritaria das redes sociais é o apego às ideias.”

Outros temas que têm ocupado o jornalista estão relacionados à renovação na política e ao populismo. “O processo de renovação ocorrerá, mas será lento e ficará aquém do desejo das pessoas. A renovação não deve ser de nomes, mas na forma como a política é feita. Mas, por ora, ela deve ser incipiente.”

Sobre o vigor que o populismo ainda demonstra no Brasil, Waack afirma que o País pode caminhar nesse sentido. “O único limitador para o populismo é o fato de os cofres públicos estarem vazios. Mas gostaria que a negação do populismo fosse a consciência de que foi ele que nos levou à catástrofe econômica”, diz o jornalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.