André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Se eu derrubo Dilma agora, no dia seguinte, vocês me derrubam', diz Cunha à oposição

Presidente da Câmara demonstrou irritação com nota divulgada no fim de semana na qual PSDB, DEM, PPS, PSB, SD e minoria pedem seu afastamento

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2015 | 22h09

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniu líderes da oposição em sua residência oficial na manhã desta terça-feira, 13, e demonstrou sua irritação com a nota divulgada no fim de semana na qual PSDB, DEM, PPS, PSB e SD pedem seu afastamento.

“Se eu derrubo Dilma agora, no dia seguinte, vocês me derrubam”, disse Cunha, segundo um dos participantes do encontro relatou ao Estado. Os líderes reagiram dizendo que a nota foi uma resposta à pressão das bases, mas que o presidente poderia continuar contando com o apoio deles.

Já na Câmara, os mesmos líderes da oposição passaram o dia encarando saias-justas para explicar os motivos de apresentarem nota no fim de semana, mas não assinarem requerimento de abertura de processo de cassação contra Cunha por quebra de decoro parlamentar.

“A situação do presidente da Casa tem que ser preservada do ponto de vista da prerrogativa constitucional”, afirmou o líder do DEM, Mendonça Filho (PE), após participar do encontro. “Qualquer cidadão que esteja no cumprimento de suas obrigações tem legitimidade”, disse o líder. “Na realidade, nós não temos um documento que diga que ele, ele cometeu um ilícito”, disse o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM).

No Senado, o fato de a oposição não questionar Cunha sobre as denúncias de ter contas na Suíça foi objeto de discursos. Mas petistas também foram cobrados. “A bancada do PT da Câmara está absolutamente silente, de bico calado em relação a essas acusações”, disse o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.