Pedro Venceslau/Estadão
Pedro Venceslau/Estadão

Prefeito de Milão diz que declarações de Cesare Battisti são 'tolas'

Em entrevista ao 'Estado', italiano Cesare Battisti disse que a extradição equivaleria a uma pena de morte

Pedro Venceslau, enviado especial, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2017 | 08h59

MILÃO - Em uma entrevista coletiva para a imprensa italiana ao lado do prefeito de São Paulo, João Doria, o prefeito de Milão, Giuseppe Sala, disse na manhã dessa sexta-feira, 13, que considerou "tolas" as declarações do italiano Cesare Battisti ao 'Estado', de que a extradição equivaleria a uma pena de morte. As declarações do Battisti ao Estado também repercutiram na imprensa italiana.

"Quando digo que a extradição tem que ser o mais rápido possível é porque as últimas declarações dele são tolas e me deixaram mais perplexo", disse Sala.

+ ENTREVISTA: ‘Vão me entregar à morte’, diz Battisti

Battisti, que foi condenado na Itália a prisão perpétua pelo assassinato de quatro pessoas, aguarda no Brasil uma decisão do governo Michel Temer sobre sua situação.

Ao lado de Sala, Doria, que concedeu entrevista em italiano, cobrou a extradição do governo brasileiro. "O governo brasileiro não deve dar proteção à criminosos. Battisti deve cumprir pena na Itália", disse o prefeito.

A defesa do o ex-ativista italiano Cesare Battisti afirmou que acredita que o presidente Michel Temer vai respeitar as normas e não extraditará o italiano.

Conforme mostrou o Estadão/Broadcast na semana passada, a tendência do presidente é extraditá-lo e essa é a opinião dos conselheiros ouvidos por ele. Mas Temer quer aguardar um posicionamento da Secretaria de Assuntos Jurídicos da Casa Civil para anunciar sua posição final. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.