AFP/ Miguel Schincariol
AFP/ Miguel Schincariol

Policiais veem 'chance zero' de Lula ser preso nesta sexta-feira

Após as 18 horas não é possível prender o ex-presidente, a menos que haja acordo com a defesa para ele se entregar em São Paulo

Daniel Weterman e Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 17h37

CURITIBA E SÃO PAULO - Policiais federais em Curitiba veem "chance zero" de Lula ser preso e chegar a Curitiba nesta sexta-feira, 6. Eles consideram que após as 18 horas não é possível prender o ex-presidente, a menos que haja acordo com a defesa para ele se entregar em São Paulo. No sábado, 7, ainda é "muito difícil" uma operação. A exceção é uma negociação com a defesa ainda não prevista para ser concretizada.

+++Lula passa a noite no Sindicato dos Metalúrgicos com filhos e correligionários

Eles informam que equipes de Curitiba, São Paulo e Brasília conversam neste momento para definir as próximas ações. A prioridade para a PF é negociar uma entrega com os advogados de Lula, mas reforçam que não vão deixar de cumprir a decisão judicial e que há elementos para garantir a segurança dos agentes. 

Em São Paulo, agentes da PF permanecem à espera de uma ordem para efetivar a prisão do ex-presidente Lula. Entretanto, os policiais também consideram remota a hipótese de uma prisão imediata, sem negociações.

Mais cedo, policiais federais em Curitiba diziam que seria possível prender Lula até às 18 horas, pelas regras legais. Após esse horário, a Polícia Federal é impedida de entrar em domicílio de réus. A sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC consta como endereço de Lula em alguns inquéritos.

+++ Lula não vai se entregar em Curitiba, diz Rui Falcão

O discurso entre os delegados, por enquanto, é que as equipes vão definir a "melhor forma" de cumprir a ordem de prisão, abrindo a possibilidade de uma negociação com a defesa mesmo após o prazo. 

 

Mais conteúdo sobre:
Lula [Luiz Inácio Lula da Silva]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.