EFE/Antonio Lacerda
EFE/Antonio Lacerda

Lula passa a noite no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC com filhos e correligionários

Ex-presidente ainda não informou se vai se entregar no prazo determinado pelo juiz Moro, se vai aguardar o cumprimento do mandado de prisão ou se pretende resistir

Cleide Silva, Murillo Ferrari e Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 07h04

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou a noite no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, acompanhado dos filhos e correligionários. Após a decretação da prisão pelo juiz Sérgio Moro, no início da noite desta quinta-feira, 5, o ex-presidente, condenado a 12 anos e um mês de prisão no processo do caso tríplex do Guarujá, tem até às 17 horas de hoje para se apresentar "voluntariamente" à Polícia Federal em Curitiba, base da Operação Lava Jato.

+++Lula é inocente e vai saber enfrentar o momento, afirma Dilma

Até o momento, Lula não informou se vai se entregar no prazo determinado pelo juiz Sérgio Moro, se vai aguardar o cumprimento do mandado de prisão ou se pretende resistir. Ele não discursou no carro de som durante o ato de ontem à noite. Apenas acenou por volta das 2 horas da madrugada e desceu para cumprimentar alguns aliados.

A ex-presidente Dilma Rousseff, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e os candidatos à Presidência Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D'Ávila (PC do B) estiveram presentes ontem à noite no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em apoio ao petista. Moradores da ocupação do MTST em São Bernardo também fizeram caminhada até o local. Contudo, durante a madrugada, o número de apoiadores caiu. Eles prometem voltar ao local ao longo do dia.

Houve registros de agressão a equipes de reportagem e, por volta das 5h40 da manhã, o sindicato fechou as portas para evitar que grupo de manifestantes entrasse para agredir a imprensa. Funcionários do Sindicato dos Metalúrgicos e alguns manifestantes estão fazendo a segurança dos profissionais de imprensa que acompanham o caso.

+++Jornalistas são agredidos por militantes pró-Lula em ato contra prisão

Em Curitiba, a sala reservada na Superintendência da Polícia Federal, especialmente para receber o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não tem grades de celas nas janelas nem na porta, tem iluminação interna, banheiro exclusivo e está isolada da Custódia, onde ficam encarcerados os presos comuns. Na sede da PF em São Paulo, não foi montado, até o momento, nenhum esquema de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.