Líder no Senado nega derrota do governo e diz que nova sessão será nesta quarta

Segundo Delcídio Amaral, parte dos deputados faltosos à sessão afirmou que o horário, às 11h30, não foi apropriado; 'amanhã veremos quem tem garrafa para botar na mesa', afirma.

Victor Martins, Carla Araújo e Isabela Bonfim, O Estado de S. Paulo

06 Outubro 2015 | 15h20

Brasília - O senador Delcídio Amaral (PT-MS), líder do governo no Senado, afirmou que a nova sessão para deliberar sobre os vetos da presidente Dilma Rousseff ocorrerá nesta quarta-feira, 7, às 11h30. A votação deveria ter ocorrido nesta manhã, mas não houve quórum suficiente de deputados. Na semana passada, já havia ocorrido um adiamento. Parte do problema, segundo alguns parlamentares, ocorre porque parlamentares querem levar a PEC da Reforma Política para votação no Senado. A proposta já foi aprovada em dois turnos na Câmara e está parada no Senado desde agosto. O Supremo Tribunal Federal já declarou inconstitucional o financiamento empresarial de campanhas. 

 

Segundo Delcídio, parte dos deputados faltosos à sessão afirmou que o horário não foi apropriado. "Agora, amanhã não tem escapatória, veremos quem tem garrafa para botar na mesa. Meu negócio é o Senado, ele deu quórum e está muito sereno sobre essa questão dos vetos", disse após sair de uma reunião do com o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). "A própria oposição no Senado tem noção da importância desses vetos para o País. Agora, acho que a Câmara tem de responder, até em função dessa reforma (ministerial) feita na semana passada", afirmou.

 

O senador lembrou que durante a sessão, parte dos ministros recém-nomeados estava em cerimônia de transmissão de cargo. "Nós tínhamos esperança de ganhar de 3 ou 4 a zero e o jogo empatou. Quem sabe amanhã a gente faz um. Nós perderíamos se os vetos caíssem. Mas não. Não dando quórum, amanhã tem mais", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.