1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Jaques Wagner diz que não há 'coelho na cartola' nem pacote para salvar economia

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 18h 14

Após reunir-se com o vice-presidente, Michel Temer, ministro-chefe da Casa Civil afirmou que solução mágica para economia não existe e voltou a dizer que acredita na derrota do impeachment no Congresso

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmou nesta quarta-feira, 6, que o governo não trabalha com nenhuma solução mágica para a economia e que aqueles que mantêm essa expectativa não serão correspondidos. "Muita gente fica perguntando quando sairá a grande notícia. Nós não estamos mais em tempos de pacotes e grandes notícias", disse, após reunir-se com o vice-presidente, Michel Temer, para tentar refazer a relação do peemedebista com o governo.

O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner 

O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner 

De acordo com Wagner, os ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e o do Planejamento, Valdir Simão, estão cuidando das ações para a retomada da economia, mas não há previsão de nada "bombástico". "Parece que estão esperando qual é o coelho da cartola. Não tem coelho na cartola, vamos continuar buscando equilíbrio macroeconômico e fiscal", afirmou.

Wagner disse ainda que o governo sabe que a recuperação econômica será feita de forma "paulatina". "Temos consciência de que as coisas serão passo a passo retomando a confiança empresários interna e externamente", disse.

Impeachment. Após o encontro com o vice, Wagner afirmou que acredita que o processo de impeachment vai ser derrotado na Câmara e que o governo continua com pressa para tirar o assunto da pauta.

"A sociedade brasileira espera que classe política brigue um pouco menos para que se abra espaço para cuidar do principal", disse.

Wagner também minimizou a disputa interna do PMDB na escolha do novo líder da sigla na Câmara. No fim do ano passado, o Planalto atuou para reconduzir Leonardo Picciani para o posto. O deputado havia sido destituído do cargo pela ala pró-impeachment. Agora, os dois grupos estão novamente disputando a liderança.

Encontros. O ministro afirmou que tanto o encontro de hoje com Temer quanto o de ontem com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram para fazer um balanço do ano que terminou e uma análise dos desafios de 2016.

Segundo Wagner, a avaliação é de que, politicamente, 2015 acabou "melhor do que muita gente imaginava".

Na noite desta terça, Lula se encontrou com Dilma, Wagner e o presidente do PT, Rui Falcão, em Brasília. O pano de fundo da discussão foi o atual cenário político e a crise econômica.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX