Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Jaques Wagner diz que não há 'coelho na cartola' nem pacote para salvar economia

Política

DIDA SAMPAIO|ESTADAO

Jaques Wagner diz que não há 'coelho na cartola' nem pacote para salvar economia

Após reunir-se com o vice-presidente, Michel Temer, ministro-chefe da Casa Civil afirmou que solução mágica para economia não existe e voltou a dizer que acredita na derrota do impeachment no Congresso

0

Carla Araújo e Isadora Peron,
O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2016 | 18h11

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmou nesta quarta-feira, 6, que o governo não trabalha com nenhuma solução mágica para a economia e que aqueles que mantêm essa expectativa não serão correspondidos. "Muita gente fica perguntando quando sairá a grande notícia. Nós não estamos mais em tempos de pacotes e grandes notícias", disse, após reunir-se com o vice-presidente, Michel Temer, para tentar refazer a relação do peemedebista com o governo.

De acordo com Wagner, os ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e o do Planejamento, Valdir Simão, estão cuidando das ações para a retomada da economia, mas não há previsão de nada "bombástico". "Parece que estão esperando qual é o coelho da cartola. Não tem coelho na cartola, vamos continuar buscando equilíbrio macroeconômico e fiscal", afirmou.

Wagner disse ainda que o governo sabe que a recuperação econômica será feita de forma "paulatina". "Temos consciência de que as coisas serão passo a passo retomando a confiança empresários interna e externamente", disse.

Impeachment. Após o encontro com o vice, Wagner afirmou que acredita que o processo de impeachment vai ser derrotado na Câmara e que o governo continua com pressa para tirar o assunto da pauta.

"A sociedade brasileira espera que classe política brigue um pouco menos para que se abra espaço para cuidar do principal", disse.

Wagner também minimizou a disputa interna do PMDB na escolha do novo líder da sigla na Câmara. No fim do ano passado, o Planalto atuou para reconduzir Leonardo Picciani para o posto. O deputado havia sido destituído do cargo pela ala pró-impeachment. Agora, os dois grupos estão novamente disputando a liderança.

Encontros. O ministro afirmou que tanto o encontro de hoje com Temer quanto o de ontem com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram para fazer um balanço do ano que terminou e uma análise dos desafios de 2016.

Segundo Wagner, a avaliação é de que, politicamente, 2015 acabou "melhor do que muita gente imaginava".

Na noite desta terça, Lula se encontrou com Dilma, Wagner e o presidente do PT, Rui Falcão, em Brasília. O pano de fundo da discussão foi o atual cenário político e a crise econômica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.