1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ex-ministro da Justiça diz que Delcídio construiu tese de delação por vingança e para sair da prisão

- Atualizado: 03 Março 2016 | 18h 10

José Eduardo Cardozo afirma que senador visitava ministério da Justiça 'quase diariamente' para cobrar atitude do governo com relação a delações à Lava Jato

BRASÍLIA - O ex-ministro da Justiça e atual ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, afirmou nesta quinta-feira, 3, que, se o senador Delcídio Amaral (PT-MS) tiver de fato feito uma delação premiada, como afirma a revista IstoÉ, ele construiu sua tese "por vingança" à presidente Dilma Rousseff, por ela não ter ajudado a sair da prisão, e para conseguir sair da cadeia. O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, por sua vez,  afirmou que a delação tem "muita poeira e pouca materialidade" e chegou a comparar o caso ao da Escola Base, episódio nos anos 90 em que os donos de uma escola infantil de São Paulo foram injustamente envolvidos em uma investigação e em reportagens sobre abuso contra crianças.

Cardozo afirmou que Delcídio costumava vir "quase que diariamente" ao Ministério da Justiça. Nas visitas, o senador petista sempre tocava no assunto da Operação Lava Jato. "Ele dizia: nós temos que ver o que está acontecendo na Lava Jato, os réus estão sendo pressionados a fazer delação", disse. "Eu falava: Delcídio, se alguém representar, mando apurar. No entanto, as representações nunca chegavam", disse.

Para o ministro, parecia que Delcídio, então líder do governo no Senado, estava defendendo o governo. "Só que depois vi que não estava defendendo nada que não fosse a sua própria sobrevivência", disse. Para Cardozo, "é muito fácil construir delações premiadas para sair da cadeia, com desejo de vingança e com teses daquilo que já aconteceu, sem provas, sem absolutamente nada que possa referendar".

O ministro da AGU disse que ele e a presidente Dilma Rousseff receberam com "indignação" a notícia da suposta delação premiada divulgada pela revista IstoÉ. "Não fizemos e não faríamos isso", disse Cardozo na coletiva de imprensa. Na avaliação do ex-ministro da Justiça, se Delcídio Amaral tiver de fato feito delação premiada, ela não sobreviverá "minimamente à lógica dos fatos".

Ao enumerar alguns pontos do acordo de colaboração de Delcídio divulgado pela revista IstoÉ, Cardozo negou que a presidente Dilma tenha se reunido sozinha com o senador para tratar de indicações ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). O parlamentar acusa Dilma de ter negociado indicações de ministros da Corte em troca de que eles se comprometessem a soltar envolvidos na Lava Jato.

"É mentira que Dilma tenha se reunido com ele sozinha para tratar deste assunto. Normalmente, ela se reúne com líderes do governo e outros ministros juntos", afirmou Cardozo. "Tenho certeza que não aconteceu. Por que isso? Desejo de vingança à presidente Dilma Rousseff por razões que já falei", emendou. Segundo o ministro, se isso tivesse acontecido, as pessoas que Delcídio queriam que estivessem soltas já tinham sido libertadas.

O minsitro afirma, ainda que a própria presidente neda o encontro. "Dilma garantiu que nunca se reuniu com Delcídio para discutir indicação do STJ e que se fosse discutir, me chamaria, Luís Inácio Adams ou a Casa Civil. Sempre estive presente nas reuniões da presidente para tratar da Justiça", disse Cardozo sobre conversa que teve com a presidente na manhã de hoje.

Cardozo rebateu em especial a acusação de Delcídio de que Dilma teria nomeado o desembargador Marcelo Navarro ao STJ para cuidar de habeas corpus e recursos da Lava Jato no tribunal. O ministro lembrou que Navarro tem um currículo muito bom e teve sua indicação referendada por juízes, desembargadores e inclusive parlamentares da oposição, como os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE) e José Agripino (DEM-RN).

O ministro, que foi questionado se deveria responder às acusações já que nega o seu envolvimento e o da presidente, afirmou que era preciso responder, mas que, pela própria revista que revelou o teor da delação, ela ainda não existe porque não foi homologada. "Delcídio não tem credibilidade se fez delação e escondeu para manter o mandato", destacou.

O novo advogado-geral da União criticou veementemente o senador, a quem chegou a chamar de amigo em outras épocas. "Parece que ele (Delcídio) quer dividir o ônus do que fez", disse.

Por diversas vezes, Cardozo disse que Delcídio não tem credibilidade. "Se alguém quer dar credibilidade a isso, que dê", afirmou. Para ele, as partes da delação que envolvem a presidente Dilma, Pasadena e ele "não sobrevivem", e Dilma concordou que ele desmentisse o que aconteceu por meio de uma coletiva de imprensa.

Sobre vazamentos de informações, o ministro afirmou que todo tipo de vazamento é crime, seja o vazamento seletivo ou não. O ministro também afirmou que sabia das críticas que recebia de Delcídio por ele não interferir na operação Lava Jato. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX