Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Comissão de Ética vai analisar caso de Segovia na próxima segunda

Presidente da Comissão diz que diretor-geral da PF pode ser alvo de inquérito para averiguar se houve conduta imprópria

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2018 | 18h41

BRASÍLIA - A Comissão de Ética Pública da Presidência vai analisar o caso do diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, na próxima segunda-feira, 19, quando o colegiado tem uma reunião agendada. 

Em entrevista à Reuters, Segovia afirmou que as investigações não encontraram provas de irregularidades envolvendo o presidente Michel Temer no chamado decreto dos portos. Ele sinalizou que a corporação vai recomendar o arquivamento do inquérito aberto contra o emedebista no Supremo Tribunal Federal (STF).

++ Diretor-geral da PF presta esclarecimentos a ministro do STF na segunda

Segundo o presidente da comissão, Mauro Menezes, como se trata de uma “alta autoridade” do País, Segovia pode ser alvo de um inquérito para apurar se houve alguma conduta que não condiz com o cargo que ocupa.

 

“Se houver o ingresso de alguma representação, nós certamente levaremos na reunião na segunda-feira. Se não houver nada até lá, a própria comissão pode discutir o caso e decidir se abre ou não um processo”, explicou.

++ Deputado da Rede diz que vai acionar comissão da Câmara contra chefe da PF

Congresso. Partidos da oposição estão se organizando para entrar com uma representação contra o diretor da PF na comissão, mas por conta do feriado do carnaval, isso deve acontecer somente na própria semana.

Segundo o líder do PSOL na Câmara, deputado Ivan Valente (SP), a estratégia da oposição vai ser acionar tanto a Comissão de Ética quanto tentar convocar Segovia a dar explicações no Congresso. “Essa investigação sobre o presidente 

Michel Temer tem um potencial muito explosivo”, disse.

O deputado da Rede, Alessandro Molon (RJ), já anunciou que vai var apresentar um convite para ouvir o diretor da PF na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

O líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS), também afirmou que o partido vai entrar com uma representação contra Segovia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.