André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Com prisão de Lula viraremos republiqueta de banana, diz Gleisi

Presidente do PT considera provável detenção do ex-presidente uma 'violência'

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 15h21

Após se reunir com o ex-presidente Lula e aliados do petista em São Paulo, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou que a prisão de Lula, se for realmente executada, será uma "violência" e vai expor o Brasil como uma "republiqueta de banana". Ela ainda reforçou que Lula "é candidato".

"A prisão é uma violência completa porque é a prisão de um homem inocente", disse Gleisi, em entrevista a jornalistas, em frente ao Instituto Lula. "Marcará negativamente a imagem do Brasil no exterior. Será uma prisão política, viraremos uma republiqueta de banana."

A senadora reforçou que o partido vai considerar a prisão de Lula como política e que os aliados estarão "ao lado dele".

+++Lula admite a aliados que está fora das eleições

STF. A presidente do PT entende que os ministros do STF que votaram por negar o habeas corpus ds Lula na Corte impediram que o Supremo cumprisse seu papel de "guardião da Constituição" e que Lula deveria responder ao proceaso em liberdade.

A reivindicação do partido, destacou, é que o Supremo paute o quanto antes as ações que questionam a tese de prisão após condenação em segunda instância e, assim, evite uma prisão do ex-presidente.

Candidatura. O PT insiste em manter publicamente a pré-candidatura de Lula à Presidência da República. "O presidente Lula continua nosso candidato, primeiro porque é inocente e portanto tem direito a se candidatar e, se candidato for, tem tudo para se eleger", declarou. "Será candidato porque a candidatura dele não pertence mais ao PT, já é de uma parcela expressiva do povo brasileiro."

Reunidos com Lula, a cúpula do partido articula com as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo uma vigília permanente em frente ao prédio onde o petista mora, em São Bernardo do Campo. Nesta tarde, a direção nacional da legenda se reúne em São Paulo para debater estratégias. Amanhã, as frentes proomovem outra reunião para definir as mobilizações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.