Câmara conclui leitura e denúncia contra Temer segue para CCJ

Após leitura que durou quase cinco horas, acusação segue para Comissão de Constituição e Justiça; advogados do presidente e dos demais acusados serão notificados e têm dez dias para apresentar defesa

Igor Gadelha e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2017 | 17h53

BRASÍLIA - Segunda secretária da Mesa Diretora da Câmara, a deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) concluiu às 17h36 desta terça-feira a leitura no plenário da Casa da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). A leitura, que começou às 12h09, durou quase cinco horas e meia. 

+PTB dá vaga de titular na CCJ para deputado alinhado com governo

Após a tucana concluir a leitura, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), determinou que a Casa notifique Temer, Padilha e Moreira para que apresentem defesa. A notificação deve ser feita ainda nesta terça-feira pelo 1º secretário da Câmara, deputado Fernando Giacobo (PR-PR).

Também hoje a Secretaria Geral da Mesa deve enviar a denúncia ainda hoje para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Quando a peça chegar ao colegiado, começará a contar o prazo de 10 sessões plenárias para apresentação da defesa dos acusados. O presidente do colegiado, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), prometeu anunciar até o fim desta terça-feira o rito da tramitação do processo. 

Nova defesa. O presidente Michel Temer recebeu nesta terça-feira no Palácio do Planalto o advogado Eduardo Carnelós, que substitiu Antonio Claudio Mariz e o defenderá na denúncia por formação de quadrilha e obstrução de Justiça. Carnelós foi trazido ao Planalto pelo sub-chefe de Assuntos Juridicos da Casa Civil, Gustavo do Vale Rocha, que terá, segundo fontes, um papel de aconselhamento informal como advogado neste processo. Apesar disso, o almoço foi só entre Temer e Carnelós.

A conversa, segundo auxiliares, teve como objetivo discutir a estratégia da defesa que vai rebater ponto a ponto as acusações que constam na segunda denuncia apresentada pelo então Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. A ideia é que a peça seja apresentada somente na semana que vem.

O presidente e seu advogado ficaram de ter novas conversas e possivelmente terão um encontro em São Paulo nos próximos dias. Segundo um auxiliar do presidente há muitas inconsistências na denuncia que precisam ser desmanteladas e por isso o advogado avisou que é preciso tempo para se dedicar ao trabalho.

Carnelós cuidará apenas da defesa de Temer, mesmo que a denúncia englobe os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência). Apesar disso, segundo fontes do Planalto, os advogados dos três devem conversar para alinhar as ações. O Palácio do Planalto não conta com o desmembramento da denúncia, mas diz que é natural que o presidente tenha um advogado focado exclusivamente em sua defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.