João Ricardo/PTB
João Ricardo/PTB

Áudio indica coação de Cristiane Brasil a servidores

Reportagem do 'Fantástico' mostra gravação da deputada federal, então secretária no Rio, ameaçando funcionários, que só poderia manter o emprego deles se elegendo

O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2018 | 23h18

Reportagem do programa Fantástico da TV Globo veiculada na noite deste domingo, 4, exibiu um áudio da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), então secretária do Envelhecimento e Qualidade de Vida do Rio de Janeiro, em 2014, supostamente coagindo funcionários a conseguirem votos para ela nas eleições. 

++ MPF investiga Cristiane Brasil por associação ao tráfico

++ Para advogado, denúncia contra Cristiane Brasil não tem fundamento

“Eu só tenho um jeito de manter o emprego de vocês. Me elegendo”, disse a então candidata a deputada federal. Cristiane acabou eleita com pouco mais de 80 mil votos. Segundo a reportagem, o áudio é de uma reunião na pasta com cerca de 50 servidores. 

A gravação mostra ainda a deputada indicando como os funcionários poderiam conseguir votos. “Eu preciso de uma coisa que está na mão de vocês, que é a credibilidade junto ao idoso”, disse a deputada em determinado trecho do áudio. “Se cada um no âmbito familiar me trouxer 30 fidelizados..’Pô, tu é minha mãe. Se tu não votar nela, eu perco o emprego’”, completou.

Em nota ao Fantástico, a deputada disse que desconhece o áudio e que “jamais infringiu qualquer norma ética ou jurídica relacionada às eleições”.

Na reunião de 2014 na secretaria, ao lado de Cristiane, esteve presente o então candidato a deputado estadual, Marcus Vinícius (PTB), que também pediu que os servidores conseguissem-lhe votos. Em nota, a assessoria do deputado disse que que ele “desconhece tal áudio e que, consequentemente, não pode se manifestar sobre o suposto material”.

++ Roberto Jefferson 'puxa orelha' da filha após polêmica de vídeo no barco

Desde o início do ano, a deputada do PTB, filha de Roberto Jefferson, tem colecionado polêmicas. Neste sábado, 3, o Estado revelou que o Ministério Público investiga a deputada por suspeitas de associação ao tráfico de drogas. Denunciantes no inquérito dizem que assessores da deputada pagaram, em 2010, traficantes para ter “direito exclusivo” de fazer campanha na comunidade. O inquérito também apura suposto envolvimento no caso do de Marcus Vinicius. Os dois negam as acusações.

Indicada ao cargo de ministra do Trabalho pelo presidente Michel Temer, ela teve sua posse suspensa duas vezes e aguarda decisão do plenário do STF. A ação contra Cristiane alega falta moralidade administrativa da deputada, que tem contra si duas condenações por dívidas trabalhistas. Nesta semana, ela divulgou vídeo nas redes sociais em uma lancha, acompanhada de homens de torso nu, se defendendo das condenações trabalhistas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.