João Ricardo/PTB
João Ricardo/PTB

Para advogado, denúncia contra Cristiane Brasil não tem fundamento

Defesa de deputada e ministra do Trabalho nomeada alega que nenhuma informação foi confirmada; o deputado estadual Marcus Vinicius afirma que já prestou esclarecimentos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2018 | 05h00

RIO - O advogado da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), André Miranda, disse que o inquérito que investiga sua cliente por suspeitas de tráfico de drogas e associação para o tráfico durante a campanha eleitoral de 2010 tem como base uma denúncia “apócrifa”, sem fundamentos. “Tudo isso que está sendo falado é de uma denúncia apócrifa e nada disso foi confirmado no inquérito. Nada deu ensejo a um ajuizamento penal. Até uma pessoa que não existe pode ser acusada de alguma coisa”, disse Miranda. Procurada, a parlamentar não quis dar entrevista.

Por meio de nota, a assessoria do deputado estadual Marcus Vinícius (PTB) disse que ele já prestou esclarecimentos sobre uma “denúncia anônima” e alegou “motivações políticas de algum adversário incomodado com a atuação do parlamentar na região”.

+++Cristiane pede revogação de decisão de Cármen Lúcia que suspende posse como ministra

+++Roberto Jefferson 'puxa orelha' da filha após polêmica de vídeo no barco

À Polícia Civil, Vinicius negou envolvimento com traficantes. Ele admitiu, porém, que, em 2010, esteve em várias comunidades “com o objetivo de fazer campanha política para a reeleição ao cargo de deputado estadual”. Afirmou ainda que durante as visitas “não viu nem entrou em contato com qualquer pessoa ligada à atividade ilícita do tráfico de drogas”. Vinicius também disse que, dos nomes envolvidos nas denúncias, só reconhecia duas pessoas, porque elas trabalham para Cristiane Brasil.

Sobre o envio dos autos para o Ministério Público Federal, o Ministério Público Estadual afirmou que “inúmeros inquéritos tramitam entre as delegacias” e o MP-RJ. A assessoria da Polícia Civil afirmou que o delegado Felipe Curi, titular da Delegacia de Combate às Drogas, disse na semana passada que o inquérito policial estava sob sigilo. Por esse motivo, não poderia responder a nenhuma pergunta da reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.