1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prendam o juiz, pressionem o Supremo, atirem no mensageiro e controlem a PF

Pacote governista inclui pressionar Judiciário, colocar o juiz Sérgio Moro sob suspeição e dizer que 'estabilidade democrática' corre riscos

Alberto Bombig

O governo deu nesta terça-feira, 22, a pincelada final no seu mais duro pacote anticrise e anti-impeachment, que inclui basicamente seis pontos: ameaçar a Polícia Federal, colocar o juiz Sérgio Moro sob suspeição ao atacar a divulgação dos áudios, constranger o Supremo, transformar o Palácio do Planalto e a Advocacia-Geral da União em bunker petista,  atirar (como sempre) nos mensageiros e dizer que "estabilidade democrática" corre riscos.

Falta nesse pacote, como sempre, uma única palavra sincera sobre a gravidade dos fatos revelados pelo conjunto da Operação Lava Jato, que nesta terça esteve novamente nas ruas em mais uma surpreendente e reveladora etapa. Enquanto Dilma Rousseff, a presidente, e seu advogado, José Eduardo Cardozo, discursavam no Planalto, os policiais interrogavam e prendiam mais uma leva de acusados de terem cometidos pesados crimes. Ambos, no entanto, apenas falaram em "combater a corrupção" de maneira conceitual, quase etérea, preferiram repisar a toada de criminalizar a investigação e o impeachment.

Caberá à Justiça definir se a Lava Jato extrapolou direitos e garantias institucionais e individuais. Se extrapolou, a lei deve ser cumprida. De resto,  se o pacote vai dar certo, os próximos dias responderão. Já é líquido, porém, que Dilma colocou sua biografia sob julgamento da história.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX