Superintendente da Caixa em Roraima também é alvo da PF

Superintendente da Caixa em Roraima também é alvo da PF

Severino Ribas é investigado na Operação Anel de Giges, que põe sob suspeita dois filhos e duas enteadas de Romero Jucá (PMDB), filhas da prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, ex-mulher do senador

Fausto Macedo, Julia Affonso e Andreza Mattais

28 Setembro 2017 | 11h49

Severino Ribas. Foto: Reprodução

A Operação Anel de Giges, deflagrada nesta quinta-feira, 28, que põe sob suspeita dois filhos e dois enteados do senador Romero Jucá (PMDB/RR). Os filhos e enteados do senador Romero Jucá (PMDB/RR) também investiga o superintendente da Caixa em Roraima, Severino Ribas, alvo de mandado de condução coercitiva.

Jucá reagiu à operação. “Ninguém vai me intimidar”, disse ao chegar para uma reunião na presidência do Senado.

OUTRAS DO BLOG: + Carta de desfiliação de Palocci liga Lula, Dilma e PT à corrupção

+ Moro manda força-tarefa apresentar recibos de offshore em ação contra Lula

+ Juiz da Lava Jato pede a Raquel que abra para perícia sistemas de propina da Odebrecht

Anel de Giges investiga suposto desvio de R$ 32 milhões por meio do superfaturamento na compra da Fazenda Recreio, na capital Boa Vista, e nas obras do projeto Minha Casa Minha Vida denominado Vila Jardim.

A PF suspeita de envolvimento de Ribas nos procedimentos internos do banco na fiscalização e liberação do empreendimento.

Com autorização judicial, a PF cumpre 17 mandados, dos quais nove de busca e apreensão e oito de condução coercitiva em Boa Vista, Brasília e Belo Horizonte.

A operação mira os filhos do senador, Rodrigo de Holanda Menezes Jucá e Marina de Holanda Menezes Jucá, e as filhas da prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB) – ex-mulher de Romero Jucá – , Luciana Surita da Motta Macedo e Ana Paula Surita Motta Macedo.

COM A PALAVRA, A CAIXA

“Com relação à Operação Anel de Giges, realizada nesta quinta-feira (28/09), a Caixa Econômica Federal esclarece que as informações estão sendo repassadas exclusivamente às autoridades competentes.”

“A CAIXA esclarece que mantém contato permanente com as autoridades competentes, prestando irrestrita colaboração com as investigações e operações policiais.”

Atenciosamente,

Assessoria de Imprensa da CAIXA