Procuradoria ganha prêmio internacional por combate à corrupção na Lava Jato

Procuradoria ganha prêmio internacional por combate à corrupção na Lava Jato

Atuação do Ministério Público Federal, que resultou em 130 denúncias contra 500 acusados, é reconhecida pela segunda vez no GIR Awards, agência internacional de notícias relacionadas a grandes investigações

Julia Affonso

06 Novembro 2017 | 16h04

Foto: MPF/RJ

O trabalho do Ministério Público Federal no combate à corrupção foi premiado no GIR Awards 2017 na categoria Enforcement Agency or Prosecutor. A premiação é realizada anualmente pela Global Investigations Review (GIR), uma agência internacional de notícias jurídicas relacionadas a grandes investigações.

As informações foram divulgadas pela Procuradoria.

OUTRAS DO BLOG: + ‘É Lei Rouanet, mas não é 100 por cento correto, todo mundo faz’

Procuradoria acusa 32 por fraudes na Lei Rouanet, na Operação Boca Livre

Desembargador da venda de sentença quer levar processo para seu Tribunal

‘Incontroverso coisíssima nenhuma!’, diz Aloysio sobre suposto repasse da Odebrecht

Henrique Alves recebeu mais de 400 visitas em dois meses, afirma procurador

Neste ano, o prêmio foi concedido ao Ministério Público Federal pelos resultados da Operação Lava Jato e concorria com a vencedora em 2016 Serious Fraud Office, agência inglesa de persecução em casos complexos de fraude, suborno e corrupção.

É a segunda vez que a atuação da Procuradoria brasileira é reconhecida pelo GIR Awards, que elege espontaneamente os vencedores sem protocolos de inscrição.

Em 2015, o trabalho de persecução realizado pelo Ministério Público Federal foi premiado na mesma categoria.

A Lava Jato é a maior iniciativa de combate à corrupção e lavagem de dinheiro da história do Brasil.

O caso teve início em março de 2014 em Curitiba a partir da investigação contra quatro organizações criminosas lideradas por doleiros.

As investigações alcançaram desvios vultuosos de recursos públicos em contratos da Petrobrás, da usina nuclear de Angra 3 e do Estado do Rio, entre outras frentes.

Atualmente, a força-tarefa do Ministério Público Federal se espalha por Curitiba, Rio, São Paulo e Brasília, além do grupo de trabalho na Procuradoria-Geral da República com atuação direta no Supremo Tribunal Federal.

Em três anos e meio, 130 denúncias criminais contra empreiteiros, doleiros, administradores públicas e ex-dirigentes da Petrobrás foram ajuizadas pelas cinco equipes contra mais de quinhentos acusados.