Moro nega mais um pedido de Eduardo Cunha para ficar preso em Brasília

Moro nega mais um pedido de Eduardo Cunha para ficar preso em Brasília

Peemedebista, encarcerado desde outubro de 2016, em Curitiba, já teve rejeitada uma vez sua solicitação para permanência na capital Federal, para onde foi transferido com o fim de prestar depoimento sobre desvios na Caixa Econômica

Luiz Vassallo e Fabio Serapião

24 Setembro 2017 | 14h14

Eduardo Cunha. Foto: André Dusek/Estadão

O juiz federal Sérgio Moro negou, mais uma vez, pedido da defesa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para ficar mais tempo preso em Brasília, para onde foi transferido por autorização do magistrado com o fim de prestar depoimento ao juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal.

+ Eduardo Cunha permanece em Brasília para depor na Sépsis
+ Eduardo Cunha vai ficar 9 dias na Papuda

Documento

Quando foi enviado ao Distrito Federal, o peemedebista solicitou permanência definitiva em Brasília, no Complexo Penitenciário da Papuda, indeferida por Moro, em agosto.

Nesta sexta-feira, o juiz da Lava Jato voltou a negar, desta vez, um pedido para que Cunha permanecesse em Brasília até as alegações finais do processo pelo qual responde à 10ª Vara Federal, perante ao magistrado Vallisney de Oliveira.

“Descabe a prorrogação da permanência até a apresentação das alegações finais e/ou até a prolação da sentença, eis que tais atos não demandam a presença do acusado perante o Juízo da 10ª Vara Federal de Brasília/DF”, anotou Moro.

O interrogatório de Cunha em processo pelo qual responde em Brasília foi adiado para dia 9 de outubro, quando ele deve prestar seu depoimento e voltar para Curitiba.

O peemedebista está preso em Curitiba desde 19 de outubro de 2016, acusado de obstruir a Lava Jato enquanto permanecia livre. O ex-presidente da Câmara foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão por propinas de U$S 1,5 milhão na compra do campo petrolífero de Benin, na África, pela Petrobrás, em 2011.

Em Brasília, onde está encarcerado para prestar depoimento, é réu no processo pelo suposto envolvimento em irregularidades na liberação de valores do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS).

Sépsis. No seu interrogatório, Cunha deverá ser questionado sobre sua suposta atuação junto ao ex-vice-presidente de Fundos e Loteria da Caixa, Fabio Cleto. Em sua delação premiada, Cleto afirmou que o ex-deputado e o corretor Lúcio Bolonha Funaro intermediavam pagamento de propina para liberação de valores do FI-FGTS para grandes grupos econômicos.

Mais conteúdo sobre:

Eduardo Cunhaoperação Lava Jato