Ministro diz que quadro de saúde de Maluf autoriza sua ‘prisão domiciliar humanitária’

Ministro diz que quadro de saúde de Maluf autoriza sua ‘prisão domiciliar humanitária’

Dias Toffoli, do Supremo, destacou em decisão desta quarta-feira, 28, que deputado condenado por lavagem de dinheiro tem 86 anos e passa por 'graves problemas relacionados à sua saúde no cárcere'

Rafael Moraes Moura e Teo Cury/BRASÍLIA

28 Março 2018 | 18h34

Paulo Maluf. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, destacou na decisão em que manda Paulo Maluf (PP/SP) para casa, que o deputado está com 86 anos e ‘passa por graves problemas relacionados à sua saúde no cárcere, em face de inúmeras e graves patologias que o afligem’.

Documento

O ministro fundamentou a medida que tirou Maluf da Penitenciária da Papuda em ‘documentos juntados pela defesa’.

Maluf foi preso na véspera do Natal, por ordem do ministro Celso de Mello, que mandou o deputado cumprir em regime fechado a condenação de 7 anos, nove meses e dez dias por crime de lavagem de dinheiro quando exercia o cargo de prefeito de São Paulo (1993/1996).

No início da madrugada desta quarta-feira, 28, Maluf passou mal na Papuda e foi levado para um hospital particular de Brasília.

Toffoli fez menção a esse episódio. “A notícia divulgada em respeitados veículos de comunicação da imprensa brasileira, de que ele (Maluf) foi internado às pressas em hospital no fim da noite passada, por complicações no seu estado de saúde, corroboram os argumentos trazidos à colação pela defesa, bem como reforçam, pelo menos neste juízo de cognição sumária, a demonstração satisfatória, considerando os documentos que instruem este feito, da situação extraordinária autorizadora da sua prisão domiciliar humanitária.

O ministro anotou que ‘no mesmo sentido, na data de ontem (terça, 27), a Segunda Turma acolheu pleito defensivo de prisão domiciliar humanitária a paciente portador de grave patologia, uma vez que se demonstrou por laudo médico que o tratamento de que ele necessitava era incompatível com a segregação prisional’.

“Não desconheço que a Lei de Execuções Penais apenas autoriza a prisão domiciliar para o condenado submetido ao regime prisional aberto, nas hipóteses ali previstas”, observou Toffoli. “Todavia, a Corte registra precedente de lavra do eminente ministro Celso de Mello, que admitiu, por força do postulado da dignidade da pessoa humana, a prisão domiciliar a paciente presa em regime fechado, tendo em conta precário estado de saúde, provocado por grave patologia.”

Toffoli registrou, ainda, que ‘a Segunda Turma concedeu prisão domiciliar humanitária a paciente com 77 anos, condenado pelo crime de estupro de vulnerável, em face de seu debilitado estado de saúde, cabalmente comprovado’.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO RICARDO TOSTO, QUE DEFENDE MALUF
O advogado Ricardo Tosto, que defende Maluf ao lado do advogado Jorge Nemr, afirmou que ‘não há motivo nenhum para comemorar nada’.

“O quadro clínico do dr. Paulo é muito delicado, é ruim. Ele tem o problema na coluna que o impede de se locomover praticamente e tem, além de complicações cardíacas, um problema nos olhos, está quase cego”, afirmou Ricardo Tosto.

“Por isso, não há comemoração nenhuma, o que houve foi uma decisão humanitária por parte do ministro Dias Toffolie. Isso sim é muito importante.”

Tosto disse, ainda. “Esperamos que o dr. Paulo consiga agora se restabelecer, mas é bom ficar claro uma coisa: ele vai ter na prisão domiciliar todas as restrições que tem numa prisão domiciliar. Não há motivo algum para festa.”

Tosto e Nemr destacaram que a viagem de Maluf para São Paulo vai depender exclusivamente dos médicos do hospital particular em que ele está internado desde a madrugada desta quarta-feira, 28. “Não são os advogados que decidem isso, mas os médicos.”

Mais conteúdo sobre:

Paulo MalufSTF