Laranja de Geddel no bunker diz ter trabalhado na campanha de Aécio

Laranja de Geddel no bunker diz ter trabalhado na campanha de Aécio

Gustavo Pedreira Ferraz, que admitiu ter buscado malas para ex-ministro, disse à PF que trabalhou na campanha do senador Aécio Neves à Presidência, em 2014 ; o senador nega

Luiz Vassallo e Breno Pires/BRASÍLIA

28 Dezembro 2017 | 17h00

FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADAO

Gustavo Pedreira Ferraz, que admitiu buscar malas de dinheiro para Geddel Vieira Lima, afirmou à PF ter trabalhado na campanha Presidencial de 2014 para o então candidato Aécio Neves (PSDB). Ex-diretor da Defesa Civil de Salvador, Bahia, ele resolveu colaborar com investigações sobre o bunker dos R$ 51 milhões. As digitais de Ferraz foram encontradas nas cédulas de R$ 50 e R$ 100 que rechearam as malas e caixas de dinheiro encontradas na maior apreensão da história da PF, no âmbito da Operação Tesouro Perdido, que pegou Geddel.

Por meio de sua assessoria, o senador Aécio Neves nega que Gustavo tenha trabalhado em sua campanha.

+ Cármen nega habeas a Maluf

+ Laranja diz que buscou parte dos R$ 51 mi em malas de dinheiro para Geddel

+ Promotoria descobre servidor no Maranhão que era ‘chefe’ e ‘superintendente’ ao mesmo tempo

Conselheiro de ética do PMDB na Bahia, Ferraz admitiu que, em 2012, buscou uma mala de dinheiro para em um hotel em São Paulo para o ex-ministro. Ele afirma que ainda voltou a Salvador em voo fretado e foi levado por um motorista do PMDB até a casa de Geddel, aonde o dinheiro da mala foi contado. Ferraz se diz traído já que esperava que o ex-ministro repassasse o montante para as campanhas de candidatos baianos às Prefeituras e, na verdade, foram parar no bunker.

Ele afirma à PF que também colaborou para a campanha de Geddel ao governo estadual, em 2010. À época das eleições de 2012, ele alega ter sido assessor de bancada do PMDB na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.

Ferraz assumiu em 2013, a superintendência da Indústria e Comércio de Salvador, função que exerceu até o fim de 2014.

Naquele ano, ele diz ter feito campanha política para Geddel, então candidato ao Senado, Paulo Souto, candidato ao Governo do Estado da Bahia, e Aécio Neves, candidato a Presidente.

Ferraz foi preso na Operação Tesouro Perdido, após serem encontradas suas digitais nas notas do bunker dos R$ 51 milhões. Ele pagou fiança para deixar a cadeia. O valor, estipulado pelo Supremo, foi de 50 salários mínimos.

COM A PALAVRA, AÉCIO NEVES

“O sr Gustavo Ferraz não trabalhou na campanha presidencial do PSDB em 2014”.

COM A PALAVRA, SOUTO

A reportagem não localizou Paulo Souto. O espaço está aberto para manifestação.