Laranja diz que buscou parte dos R$ 51 mi em malas de dinheiro para Geddel

Laranja diz que buscou parte dos R$ 51 mi em malas de dinheiro para Geddel

Gustavo Pedreira Ferraz, cujas digitais foram encontradas no bunker, afirma ter transportado valores em espécie para ex-ministro à época das eleições municipais de 2012

Luiz Vassallo e Breno Pires

27 Dezembro 2017 | 05h00

Geddel em sua primeira audiência de custódia, quando foi preso por suposta pressão para evitar que o doleiro Lúcio Funaro firmasse acordo com a Procuradoria para confessar seus crimes. Foto: Reprodução de vídeo da 10ª Vara Federal de Brasília

O ex-chefe da Defesa Civil de Salvador Gustavo Pedreira Ferraz, homem de confiança de Geddel Vieira Lima e do PMDB na Bahia, confessou à Polícia Federal que buscou malas de dinheiro em um hotel, em São Paulo, para o ex-ministro, em 2012, no âmbito das eleições municipais. Ele diz nunca ter ido ao bunker dos R$ 51 milhões em Salvador, mas alega que a viagem à capital paulista pode explicar o fato de suas digitais terem sido encontradas nas cédulas.

+ Cármen nega habeas a Maluf

+ Promotoria descobre servidor no Maranhão que era ‘chefe’ e ‘superintendente’ ao mesmo tempo


As digitais do diretor da Defesa Civil foram identificadas nos sacos plásticos que envolviam os R$ 51 milhões no apartamento emprestado pelo empresário Silvio Antônio Cabral Silveira. Digitais de Geddel também aparecem nas notas de dinheiro da maior apreensão da história da Polícia Federal brasileira. Até mesmo a fatura da empregada do deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel, foi achada no apartamento, que fica a apenas 1,2 km da casa do ex-ministro e de sua mãe.

Ao pedir a prisão de Ferraz, a Procuradoria da República no Distrito Federal afirmou que o agente público seria o interposto de Geddel Vieira Lima que foi buscar propinas em um hotel em São Paulo junto ao operador de Eduardo Cunha, Altair Alves Pinto. Ele foi denunciado pela Procuradora-Geral da República Raquel Dodge.

Ferraz disse acreditar que ‘suas digitais foram identificadas no material encontrado durante a busca, uma vez que no ano de 2012, a pedido de Geddel Vieira Lima, transportou de São Paulo/SP para Salvador/BA dinheiro de contribuição para campanhas do PMDB da Bahia’.

Ele ainda diz que  Geddel ‘disse à época que o dinheiro seria utilizado nas campanhas dos Prefeitos e vereadores do PMDB no Estado da Bahia’.

Ferraz contou à PF que foi informado pelo ex-ministro de que ‘a entrega do dinheiro seria intermediada por uma outra pessoa’ com quem ele deveria se encontrar em um hotel.

Ele alega que foi até o hotel indicado e se encontrou com a pessoa – não identificada em seu depoimento – e que, com ela, foi até um escritório ‘sem identificação externa’ aonde aguardou em uma sala de reuniões até pegar, junto a outro interposto, uma mala de dinheiro de ‘tamanho pequeno, compatível com as permitidas no interior de aviões’.

Ferraz ainda dá conta de que ‘logo depois, a pessoa que o entregou a mala ‘lhe disse para descer até a
garagem do prédio e entrar num Vectra de cor preta para ser transportado até o aeroporto de Congonhas’.

Segundo o ex-diretor da Defesa Civil de Salvador, o motorista do Vectra o levou até ‘o comandante da tripulação de uma aeronave particular’ e ‘orientou a embarcar em um voo fretado para Salvador’. Quando chegou à capital Baiana, ele alega ter sido levado por um motorista do PMDB até  a casa de Geddel, aonde a mala, com notas de R$ 50 e R$ 100, foi aberta e o dinheiro foi conferido.

COM A PALAVRA, GEDDEL

A reportagem entrou em contato com a defesa. O espaço está aberto para manifestação.